Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Astronomia
Segunda-feira, 1 dez 2008 - 09h05

Hoje: Tríplice conjunção é o espetáculo celeste do ano!

Se torcida ganha jogo não sabemos, mas se você quiser ver um verdadeiro espetáculo celeste vai ter que torcer bastante para o céu ficar bem limpo nesta noite. É que hoje acontece o ápice de uma tríplice conjunção celeste, a aproximação máxima entre a Lua e aquelas duas grandes "estrelas" que ultimamente apareceram no céu. O espetáculo promete!

triplice conjunção: Lua, Júpiter e Vênus

As duas "estrelas" são na verdade os planetas Júpiter e Vênus, que a cada dia parecem mais próximos entre si. Vênus é o mais brilhante e sua magnitude atual atinge -4. Depois do Sol e da Lua, Venus é o astro mais brilhante do firmamento. Ao seu lado o planeta Júpiter, o maior do sistema solar, também brilha muito forte com magnitude negativa de 1.6.


Mais perto a cada dia
Até sexta-feira, 28/11, os dois astros dominavam o céu do quadrante oeste. A cada dia se aproximavam mais entre si e os mais desavisados poderiam até imaginar que iriam se chocar. No dia 29 a distância visual entre os dois planetas atingiu seu ponto mínimo, estimado em três graus de separação. Essa distância era tão pequena que se podia encobri-los apenas com o polegar estendido. Abaixo deles, bem próximo ao horizonte, a Lua ainda tímida encenava uma aproximação. Ao redor do mundo milhares de cliques foram ouvidos e testemunharam um espetáculo raro, de encher os olhos!


O espetáculo
A Terra e a Lua se movem e apesar do espetáculo do final de semana ter sido memorável, o melhor do show acontece nesta noite. A Lua, ainda mais iluminada e mais alta no céu rouba a cena e acompanhada de Vênus e Júpiter forma a mais bela tríplice conjunção astral do ano.

Nosso satélite, em fase crescente, estará 15% iluminado e os planetas estarão tão perto dele que bastará o polegar estendido para tapar toda a visão do conjunto. No céu, os três formarão um triângulo isóscele com um astro em cada vértice. O show da tríplice conjunção poderá ser visto de qualquer parte do mundo, por isso não serão poucos os cliques que serão disparados contra o céu!


O show não pode parar!
Se você olhar o trio de astros através de binóculo, luneta ou telescópio repare ao redor da Lua. Apesar dela estar na fase crescente você conseguirá perceber uma imagem tênue de todo o disco, quase apagado. Esse fenômeno é chamado de "Brilho de Vinci" e foi explicado pela primeira vez pelo gênio Leonardo da Vinci: os raios de Sol atingem a Terra e são refletidos contra a superfície escura da Lua, produzindo uma tênue luz que ilumina fracamente o terreno, permitindo ver todo o disco lunar.

É isso. As dicas estão dadas. Procure um local adequado e chame os amigos. Faça observações e capriche nas fotos. A natureza colaborou e você não poderá perder essa chance. Bons céus!


Foto: Cena registrada por Mateus Zitelli, da cidade de Tatuí, interior de São Paulo. Na composição a lua aparece ainda tímida próxima ao horizonte. Acima, Vênus aparece bem brilhante enquanto Júpiter, ao seu lado, brilha menos.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O homem é sábio quando procura a sabedoria. Quando pensa que a encontrou é burro." - Talmud