Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Astronomia
Terça-feira, 1 dez 2009 - 10h01

Máquinas a postos. Hoje tem Lua cheia. E bem cheia!

Diariamente, a Lua nos acompanha por diversas horas seguidas e algumas vezes, apesar de não a vermos em sua fase Nova, ela também está lá. Durante a fase Cheia seu forte brilho permite até mesmo a leitura noturna, mas quando nasce cheia junto ao pôr-do-sol sua beleza é de tirar o fôlego de qualquer um. E hoje é um desses dias!

Apesar de não ser um espetáculo raro, não há quem não admire a grande Lua cheia, alaranjada, que nasce junto ao horizonte. Com seu gigantismo aparente, impressiona até os mais desligados, que ao bater os olhos no astro, se encanta e comenta sua beleza: "Olha a Lua!"

Se você quer curtir um desses momentos, hoje é o dia. A partir das 19h30 na Região Sudeste, a Grande Lua Cheia estará surgindo no horizonte. Ligeiramente alaranjada, o astro se parecerá maior que o habitual, fazendo desse começo de noite um momento ligeiramente especial, em que poucas pessoas não deixarão de olhar para o céu.


Tamanho Aparente
Por razões ainda não perfeitamente compreendidas e explicadas por astrônomos ou neurocientistas, a Lua ou Sol quando vistos próximos ao horizonte e rodeados de árvores e prédios parecem maiores que o normal. A explicação mais comum é fato de não existir nenhuma referência que nos permita estimar distâncias quando olhamos para cima de nossas cabeças, uma vez que temos a ilusão de que a abóbada celeste não é uma semi-esfera, mas uma calota achada no zênite.

Por outro lado, o céu no horizonte nos parece muito mais afastado. Quando olhamos para o horizonte nossos olhos contemplam os campos, bosques, montanhas, prédios e colinas e isso nos permite fazer comparações de distâncias e afastamentos, tornando os astros próximos ao horizonte aparentemente maiores. Essa ilusão é tão real que o próprio azul, nuvens, constelações, estrelas e planetas parecem incrustados na abóbada celeste.

Apesar dessa ser a explicação formal e mais aceita pelos pesquisadores, ela ainda é alvo de estudos por parte dos cientistas, que buscam compreender melhor como nosso cérebro funciona.


Cores Alaranjadas
Quando a Lua nasce cheia próximo ao horizonte, além do seu tamanho aparente outra característica que chama a atenção é sua coloração. Com tons próximos ao laranja, a grande Lua Cheia é sempre alvo do clique dos fotógrafos, ávidos por registrar a melhor cena formada pelo astro e pela paisagem terrena.

A cor alaranjada da Lua Cheia nascendo é consequência direta da absorção atmosférica dos comprimentos de onda verde e azul. Quando nasce, a Lua está tão próxima do horizonte que a luz por ela refletida precisa passar por uma espessa camada de atmosfera terrestre antes de chegar aos nossos olhos, ao contrário do que quando está mais alta no céu. Isso faz com que a atmosfera absorva a cor verde e azul, deixando passar somente os tons vermelhos.

Algumas vezes esse efeito pode ser potencializado devido a uma elevação anormal na quantidade de material particulado presente na atmosfera, proveniente de queimadas, erupções vulcânicas ou poluição. Quando isso acontece, além da saturação ser maior, o matiz da cor também pode se alterar, dependendo da quantidade e composição das partículas, tornando a Lua mais ou menos vermelha.



Artes: No topo, seqüência de fotogramas da Lua Cheia nascendo sobre Seattle, EUA. As fotos foram feitas com intervalos de 150 segundos. Crédito: Shay Stephens. Acima, gráfico explicativo mostra o processo de absorção de cor durante a Lua Cheia. Crédito: Apolo11.com.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O segredo em negócios é saber alguma coisa que mais ninguém sabe." - Aristóteles Onassis