Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Espaço - Brasil no Espaço
Sexta-feira, 16 out 2009 - 12h22

Brasil produzirá foguete certificado para estudos científicos

A Aeronáutica brasileira anunciou nesta quinta-feira (15) a certificação do foguete VSB-30, utilizado para estudos científicos em microgravidade. Este é o primeiro foguete do país que ganha o selo para produção em série. A ideia da Aeronáutica é repassar a tecnologia do veículo para empresas privadas que mostrem interesse em produzir o foguete.

“A certificação é um marco. Temos agora o reconhecimento, um selo de qualidade, que permite que o foguete seja comercializado com empresas e outros países", afirmou o coronel Carlos Antônio Kasemodel, vice-diretor de Espaço do IAE (Instituto de Aeronáutica e Espaço), que desenvolveu o veículo.

Segundo Kasemodel, ainda não foi definido se a empresa selecionada terá de pagar ao governo brasileiro para ter acesso às tecnologias. Outra possibilidade é a indústria repassar ao governo uma porcentagem dos lucros obtidos com a venda do foguete a clientes. Cada unidade do VSB-30 custa cerca de R$ 300 mil.

O desenvolvimento do foguete VSB-30 começou em 2001 numa parceria entre o Brasil e a Agência Espacial Alemã (DLR). Sua capacidade é de 400 quilos e pode chegar a uma altura de 250 km. O objetivo é poder levar experimentos a altitudes em microgravidade.

Já foram realizados sete lançamentos com o VSB-30, dois no Brasil e cinco na Suécia. Em julho de 2007, a carga útil com nove experimentos se perdeu após o lançamento na base de Alcântara, no Maranhão. Na ocasião, os experimentos não foram recuperados devido a falha na carga útil e não do foguete.

Foto: Momento em que um foguete VSB-30 era lançado do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, no dia 19 de julho de 2007, durante a operação Cumã II.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Dignidade não consiste em possuir honrarias, mas em merecê-las" - Aristóteles