Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Mudanças Climáticas
Quinta-feira, 09 abr 2009 - 14h40

Américas estão na área de risco de elevação do nível do mar

Uma reunião entre especialistas em mudanças climáticas realizada em Copanhague, na Alemanha, no mês de março trouxe um alerta e uma preocupação: as Américas estão cada vez mais na área de risco de elevação do nível do mar.

Até o momento as Américas do Norte e Sul eram regiões consideradas menos vulneráveis à elevação do nível dos oceanos, se comparadas a outras partes do planeta como as as ilhas do Pacífico, Vietnã e Bangladesh.

Estimativas indicam que partes do Caribe, do México e do Equador estão agora dentro da área de risco. Até a cidade de Nova York e áreas no sul da Flórida são consideradas especialmente vulneráveis ao aumento do nível do mar.

Em 2007, um relatório do Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC) sugeriu uma elevação do nível do mar entre 19 cm e 59 cm até o final deste século.

Mas, cientistas em Copenhague alertam para uma elevação de um metro ou mais no nível dos oceanos decorrente do aquecimento global. O derretimento das calotas polares é apontado como um dos principais fatores dessa nova estimativa.

Os impactos econômicos e sociais são gigantescos. "Uma elevação de um metro vai modificar irreversivelmente a geografia de áreas costeiras da América Latina", analisa o especialista Walter Vergara.

"Uma elevação de um metro inundaria uma área costeira da Guiana onde estão 70% da população e 40% das terras aráveis. Isto implicaria em uma grande reorganização da economia do país", completa Vergara.

Na Flórida, por exemplo, uma elevação do mar nesse nível associada a presença de furacões na costa da região torna a situação muito preocupante e pode ser um desastre especialmente no sul do Estado.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"A avareza e a cobiça do poder não são paixões - são medo." - Carl Ehrensvard