Quarta-feira, 8 set 2010 - 08h45

Atenção: dois asteroides se aproximam muito nesta quarta-feira

A agência espacial americana, Nasa, confirmou ontem que dois asteroides recém descobertos estão muito próximos da Terra e atingem a máxima aproximação nesta quarta-feira. Os objetos têm vários metros de comprimento e segundo a agência, não representam risco de colisão.

aproximação dos asteroides em setembro de 2010

O primeiro asteroide, batizado de 2010 RX30, de aproximadamente 20 metros de diâmetro, já atingiu o ponto de maior aproximação nesta manhã, às 06h51 pelo horário de Brasília. Segundo Centro de Pesquisa de Objetos Próximos, NEO, ligado à Nasa, o objeto passou a uma distância de 0.6 LD da Terra, o equivalente a 248 mil quilômetros de distância, acima do oceano Pacífico, próximo ao sul do Japão.

O segundo asteroide, chamado 2010 RF12, ainda está se aproximando do planeta e deverá atingir o ponto de maior aproximação nesta quarta-feira às 15h12 pelo horário de Brasília. De acordo com os dados do Centro Catalina de Pesquisa do Céu, da Universidade do Arizona, a rocha tem entre seis e quatro metros e chegará a apenas 79 mil quilômetros de distância, acima da Antártida.

Ambos os objetos foram detectados pelo Centro Catalina na manhã de 5 de setembro, durante as observações de rotina. Após o alerta, os dados posicionais foram repassados ao Centro de Planetas Menores, da Universidade de Cambridge, que calculou as órbitas dos asteroides e concluiu que os objetos passariam a uma distância inferior à órbita lunar dentro de três dias.

Asteroides entre 10 a 20 metros podem atingir a terra a cada 10 anos.

cinturão de asteroides


De onde vieram?
Asteroides são rochas irregulares cuja maioria orbita uma região do espaço entre Marte e Júpiter, conhecida como "Cinturão de Asteroides". Elas existem aos milhares e por serem muito pequenas, não são considerados planetas.

Asteroide CeresPelo menos dezesseis desses objetos têm diâmetro maior que 240 km e um deles, o maior de todos, batizado de Ceres(foto), tem um diâmetro de aproximadamente 1000 km.

Atualmente é aceito pela maioria dos cientistas que essas rochas são fragmentos de um planeta que não chegou a se formar, mas seus pedaços permanecem orbitando o Sol.

Os asteroides não estão presentes apenas no "Cinturão de Asteroides", mas também orbitam outras regiões do sistema solar e já foram descobertos desde o interior da órbita da Terra até para além da órbita de Saturno.

A grande maioria no entanto, orbita entre Marte e Júpiter e se ali permanecessem praticamente não representariam riscos. No entanto, diversos mecanismos podem fazê-los sair de suas órbitas, entre eles a colisão entre os próprios objetos ou a forte atração gravitacional de Júpiter, que pode modificar a trajetória e deslocá-los Cinturão para uma nova órbita, capaz de cruzar a órbita terrestre.


Artes: No topo, diagrama de passagem dos asteroides 2010 RX30 e 2010 RF 12. Repare que o segundo objeto passa dentro da órbita da Lua. Na sequência, ilustração mostra a localização do Cinturão de Asteroides e uma imagem de radar do asteroide Ceres. Créditos: Nasa/JPL/Apolo11.com

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Amargas são as lágrimas derramadas, mas ainda mais amargas são as que não se derramam" - Provérbio irlandês