Segunda-feira, 3 fev 2014 - 11h17
Por Rogério Leite

Atenção: mancha AR1967 pode provocar fortes tempestades solares

A gigantesca mancha solar AR1967 se desenvolveu muito, tornando se ainda maior que na última semana. Isso a fez magneticamente mais complexa e com grande potencial de ejeções de massa coronal que podem atingir a Terra.

Mancha solar AR1967 - Detalhe ampliado. Por Rogério marcon
Clique para ampliar


A mancha está voltada para a Terra e praticamente posicionada no centro da estrela. Se a observação visual feita há alguns dias mostrava apenas um pequeno pontinho no disco solar, hoje a situação é bastante diferente. Agora, AR1967 ocupa uma área com cerca de 4.5 bilhões de quilômetros quadrados, o equivalente a 9 vezes toda a área da superfície da Terra e sua observação revela um intrincado aglomerado de feições magneticamente complexas.

Com o desenvolvimento, as características magnéticas também se alteraram e a região ativa passou a ser classificada como beta-gamma-delta, formando um grupo de manchas bipolares tão complexo que é praticamente impossível traçar uma linha contínua entre os pontos de polaridades opostas. Esse tipo de região ativa é bastante instável e responsável por poderosas emissões de raios-x que podem ser acompanhadas ou não de ejeções de massa coronal.

Animação da Mancha solar AR1967

De acordo com o SWPC, o centro de previsão de clima espacial dos EUA, existem cerca de 80% de probabilidades de ocorrerem flares moderados de classe M nas próximas 72 horas e até 50% para os flares de classe X, extremamente poderosos. Devido à posição da mancha, casos ocorram, ejeções de massa coronal podem chegar até a Terra.

Para quem não se recorda, a região ativa AR1967 já esteve presente na face visível do Sol há mais ou menos 30 dias. Na ocasião foi batizada de AR1944 e devido à rotação da estrela foi trazida de volta. Nos últimos dias, essa região foi responsável por diversos flares de classe M, considerados de intensidade moderada.

ATENÇÃO
Atenção: Para ver o Sol de forma segura, utilize óculos especiais para esse tipo de observação ou então as conhecidas lentes de soldador número 14. NUNCA olhe diretamente para o Sol sob o risco de cegueira.



Fotos: no topo, espetacular imagem capturada pelo pesquisador Rogério Marcon, de Campinas São Paulo. Na cena, diversos detalhes podem ser vistos, entre eles a umbra e penumbra das manchas solares da região ativa. Acima, posição da AR1967, situada no centro da estrela. Créditos: Rogério Marcon, NASA/SDO, Apolo11.com.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Quem não compreende um olhar, tampouco há de compreender uma longa explicação" - Provérbio Arabe