Terça-feira, 13 jan 2009 - 06h59

Aventureiros vão percorrer 6 mil km em carro voador

Você já imaginou sobrevoar Londres, Paris, Barcelona e até o deserto do Saara a bordo de um carro voador?

É exatamente o que um grupo de aventureiros britânicos vão fazer esta semana.

A equipe sai de Londres amanhã (14) com destino a Timbuktu, no Mali. A viagem vai durar por terra e ar 42 dias. São 6,4 mil quilômetros dentro do carro voador.

O trajeto passará por quatro países: França, Espanha, Marrocos e Mauritânia. Algumas belezas já estão incluídas no passeio como os Pirineus, o Estreito de Gibraltar, as Montanhas Atlas e o deserto do Saara.

O carro voador foi batizado de "Skycar" e comporta dois passageiros. Ele foi desenvolvido pelo inventor britânico Gilo Cardozo, que vai pilotar o carro ao lado do aventureiro Neil Laughton.

O veículo é movido a biocombustível e chega até 180 km/h. Ele tem asas feitas de nylon, flexíveis lembrando um paraglide, que são ativadas quando o veículo atinge no mínimo 60 km/h.

Os aventureiros nunca utilizaram o carro em um percurso tão longo e a expectativa é grande. "A confiabilidade do carro é crucial. Sabemos que enfrentaremos temperaturas tão baixas quanto -30°C e calor de até 50°C. Mas o carro foi testado em uma localização secreta e funciona 100%", disse Laughton.

Se passar no teste, o inventor pretende fabricar o veículo para venda com valor aproximadamente de R$ 170 mil reais.

Arte: Concepção artística mostra o carro sobre o deserto do Saara, na África. Crédito: Gilo Cardozo/Skycar.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Existem velas que iluminam tudo, menos o próprio candelabro" - Hebbel