Segunda-feira, 20 fev 2006 - 06h32

Cientistas dizem que buracos negros são mais numerosos do que imaginado

Novos dados recebidos na Universidade Estadual da Pensilvânia (EUA), enviados pelo telescópio espacial Xandra, sensível a raios-X, mostra que os buracos negros são muito mais numerosos e evoluíram de um modo diferente do imaginado.

"Queríamos um censo dos buracos negros e saber como eles são", disse o astrofísico Niel Brandt, um dos coordenadores da pesquisa.

Usando o Observatório Xandra de Raios-X, da Nasa, e a Missão Newton, da Agência Espacial Européia, Niel e outros cientistas tentaram fazer exatamente isso.

Em busca de buracos negros, os astrofísicos concentram-se em emissões de raios-X, jáas áreas ao redor dessas estrelas mortas emitem, além de luz visível, esse tipo de radiação. Usar raios-X também permite que os pesquisadores detectem buracos negros no núcleo de galáxias, sem que a luz das demais estrelas interfira na observação.

Falando na reunião anual da Associação Americana para o Progresso da Ciência (AAAS), Niel Brandt disse que as pesquisas mostram que os chamados buracos negros supermassivos, existentes no núcleo das galáxias, são muito mais numerosos do que o esperado. Extrapolando a partir dos 600 buracos negros descobertos pelo telescópio, Brandt acredita que existam pelo menos 300 milhões de supermassivos no céu.

A existência de tamanha quantidade de buracos negros confirma que o que antes se acreditava ser uma radiação difusa de raios-X que permeia o universo é, na verdade, consequencia da soma de raios gerados por inúmeras fontes discretas.

Os buracos negros são o resultado do desmoronamento de estrelas muito maiores que o sol. Quando terminam de consumir todo o hidrogênio que as faz brilhar, não há nada que impeça a gravidade de esmagá-las, reduzindo-as a pequenos pontos de densidade tão grande e com um campo gravitacional tão intenso que nem mesmo a luz pode escapar.

As regiões ao redor dos grandes buracos negros brilham com a luz e radiação devido à enorme energia a que são aceleradas as partículas que são atraídas por essas estrelas mortas estrelas mortas.

Foto: Nesta imagem, feita em fevereiro de 2004 pelo telescópio Xandra, vemos uma estrela sendo atraída e literalmente engolida por um gigantesco buraco negro próximo à galáxia RX J1242-11, a 700 milhões de anos-luz da Terra.


Leia Também:

  • Meio Ambiente
  • Invenções e Descobertas
  • Arqueologia
  • Curiosidades
  • Terremotos
  • Aventuras
  • Energias Alternativas
  • Ônibus Espacial Discovery
  • Sobre o telescópio Hubble
  • Tecnologia Espacial
  • Brasil no Espaco
  • Sonda Stardust
  • Exploração Plutão
  • Exploração a Saturno
  • Exploração a Marte
  • Exploração a Júpiter
  • Notícias em Destaque

  • LEIA MAIS NOTÍCIAS
    Base de Dados Completa

    Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
    Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
    Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














    Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

    Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

    "A recordação da alegria não é mais alegria / enquanto a recordação da dor é dor ainda" - Byron