Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Segunda-feira, 3 dez 2018 - 10h53
Por Rogério de Souza leite

Com transmissão ao vivo, missão OSIRIS-REx chega ao asteroide Bennu

Alguns dias após pousar no planeta Marte, a agência espacial americana dará um novo passo na exploração espacial, desta vez completando a fase de aproximação ao asteroide 101955 Bennu, distante 120 milhões de quilômetros da Terra.




Assista ao vivo


A aproximação ao asteroide ocorrerá entre 14h00 e 15h00 pelo horário de Brasília e será retransmitida ao vivo pelo Apolo11.

Esta fase da missão marca o início de prospecção indireta do asteroide Bennu, uma espécie de preparação para a fase mais importante. Durante a chegada, a nave executará uma série de pequenos disparos de foguetes, que farão a nave se estabilizar a cerca de apenas 20 quilômetros de altitude.


Se tudo der certo, após estudar e mapear a rocha a OSIRIS-REx se aproximará da superfície do asteroide em julho de 2020 e através do braço robótico TAGSAM recolherá aproximadamente 65 gramas de material rochoso. Essa amostra será colocada em uma pequena cápsula que será enviada à Terra, com chegada prevista para 2023.

A OSIRIS-REx
A OSIRIS-REx foi lançada em 8 de setembro de 2016 e desde então já percorreu mais de 2 bilhões de quilômetros até chegar ao asteroide.

A missão é desenvolvida feita em conjunto entre o Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona, o Goddard Space Flight Center, da Nasa e a Lockheed Martin Space Systems. A equipe cientifica é formada por membros dos EUA, Canadá, França, Reino Unido e Itália.


101955 Bennu, distante 120 milhoes de quilometros da Terra
Imagem da câmera SamCam mostra o braço robótico TAgSam próximo ao asteroide Bennu.


Instrumentos da OSIRIS-REx
Entre os instrumentos a bordo da OSIRIS-REx estão um conjunto óptico chamado Ocams, que consiste de três câmeras:


* PolyCam: Um telescópio de 8 polegadas, que imageou o asteroide quando a nave estava a 3 milhões de km de distância e agora servirá para registrar Bennu em alta resolução nos próximos meses.

* MapCam: Uma câmera de alta resolução que buscará por satélites e plumas de gás e mapeará o a superfície do asteroide.

* SamCam: Que documentará todas as etapas de aquisição de amostras.


Além das câmeras, compõe a nave o instrumento OLA, um altímetro-radar que ajudará a determinar a altura até a superfície, um espectrômetro térmico que medirá a temperatura das diversas rochas e minerais, além de um espectrômetro de luz visível e um espectrômetro de raios-x.

A cereja do bolo é o braço robótico TAGSAM (Touch-And-Go Sample Acquisition Mechanism) que coletará rochas e poeiras da superfície da rocha, desenvolvido pela Lockheed Martin.


Asteroide 101955 Bennu
O asteroide Bennu tem 500 metros de largura e se desloca a 100 mil km/h. Segundo os pesquisadores, a rocha foi escolhida por se tratar de um asteroide carbonáceo muito antigo e que de acordo com os estudos está repleto de materiais que predominavam no início da formação do Sistema Solar.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Liberdade, essa palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ningém que não entenda." - Cecília Meireles