Quarta-feira, 22 abr 2015 - 09h19
Por Rogério Leite

Estudo confirma que a Lua tem 4,47 bilhões de anos

A recente datação do nosso satélite foi obtida através da analise de alguns fragmentos que caíram na Terra após uma gigantesca colisão que deu origem à Lua, ocorrida na época da formação do Sistema Solar.

Idade da Lua
Clique para ampliar

De acordo com o modelo atual de formação da Lua, nosso satélite se formou a partir daquilo que é considerado o "maior impacto" da história do Sistema Solar. Na ocasião, um protoplaneta - uma espécie de embrião planetário - teria colidido com outro objeto celeste que mais tarde se transformaria na Terra.

De acordo com o estudo, publicado recentemente na revista Science, após o choque, diversos meteoritos com mais de um quilômetro colidiram violentamente em um paredão de asteroides. Esse impacto aqueceu os meteoritos muito acima do normal, deixando neles uma cicatriz única e permanente.

Bilhões de anos depois, muitos fragmentos da época da colisão caíram na Terra e até hoje são usados para estudos lunares.

Agora, uma equipe internacional de cientistas analisou novamente esses fragmentos, mas empregou uma nova técnica de análise, com especial interesse na assinatura térmica criada durante a colisão dos fragmentos com o paredão de asteroides.

Os resultados foram então comparados aqueles obtidos das análises das rochas trazidas à Terra pelas missões Apollo, entre 1969 e 1972 e reforçaram o que já se conhecia até então sobre a idade do nosso satélite.

De acordo com a equipe, formada por cientistas da Nasa, Universidade do Arizona e Instituto Superior de Estudos Teológicos (ISET), a idade da formação da Lua obtida por esse método não difere daquela já obtida por meios diferentes. Ela apenas confirma a idade da Lua, que teria 4,47 bilhões de anos, um número que aumenta a precisão das datações anteriores.

"Esta pesquisa está nos ajudando a definir nossas escalas de tempo para saber quando as coisas aconteceram no Sistema Solar", disse Bill Bottke, coautor do estudo e ligado ao Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona.

A nova forma de datação é bastante promissora e poderá ser empregada para saber como se formaram outros antigos corpos celestes, como por exemplo, o gigantesco asteroide Vesta, situado no cinturão de asteroides entre as órbitas de Marte e Júpiter.


Arte: No topo, Lua fotografada pelo Observatório Apolo11 em 6 de outubro de 2014. Crédito: Rogério Leite, Apolo11.com.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Ler é entrar num continente que já foi percorrido por uma quantidade de pessoas antes, mas que continua virgem, de uma certa maneira" - José Saramago