Segunda-feira, 10 nov 2008 - 09h14

Manchas aparecem e finalmente o Sol dá sinais de vida

Finalmente, depois de mais de dois anos com poucas manchas solares, alguns flares esporádicos e aparentando bastante calma, o Sol finalmente dá sinais de mudanças. Alguns grupos de manchas já podem ser vistos no disco estelar e até perturbações geomagnéticas já estão sendo observadas aqui na Terra. É o Ciclo Solar 24, que até que enfim, começou.

"Acredito que o Mínimo Solar (período de baixa atividade) já é coisa do passado", disse David Hathaway, astrofísico do Centro Espacial Marshall, da Nasa, que faz previsões das condições do tempo espacial. "No último mês contamos cinco grupos de manchas. Pode não parecer muito, mas em um ano de recordes de poucas manchas, cinco delas é bastante significativo e representa um aumento real na atividade do Sol".

Mais significativo que a presença das manchas no entanto, é que quatro delas já pertencem ao novo Ciclo Solar 24, que estava sendo aguardado há bastante tempo pelos cientistas. "Em outubro vimos as primeiras manchas desse novo Ciclo, além das derradeiras manchas do Ciclo anterior.

O Ciclo Solar 23 atingiu seu pico no ano 2000 e desde então a atividade do Sol vem decaindo. Apesar disso, o Ciclo Solar 24 não começava prá valer, o que deu origem a diversas especulações. Em 2008 ambos os ciclos, 23 e 24, se sobrepuseram, com ambos apresentando baixíssimo nível e atividade. De janeiro a setembro, o Sol produziu um total de 22 grupos de manchas, 82% delas pertencente ao Ciclo 23. Outubro, no entanto, apresentou 5 manchas, 80% das quais relacionadas ao Ciclo 24.


Ciclo Solar
A cada 11 anos aproximadamente, o Sol passa por ciclos alternados de alta e baixa atividade eletromagnética, conhecidos por mínimos e máximos solares. Desde que as observações começaram a ser feitas, em 1750, até o ano de 2008 foram contados 23 ciclos solares, também chamados de ciclos de Schwabe.

O surgimento das manchas está diretamente ligado à atividade magnética da estrela e de modo geral, quanto maior a quantidade delas maiores serão os efeitos eletromagnéticos provocados na alta atmosfera da Terra, especialmente na ionosfera.

Manchas solares são comuns de serem vistas na superfície solar. Visualmente são regiões mais escuras e apresentam fortes reduções de temperatura e pressão das massas gasosas do Sol.


Iguais Mas Não Muito
À primeira vista, as manchas do novo e do velho ciclo são iguais, mas as diferenças surgem quando observadas mais atentamente, principalmente em relação à latitude e à polaridade magnética. As manchas de um novo ciclo sempre aparecem nas latitudes mais altas, enquanto as manchas do ciclo que se finaliza surgem ao redor da linha do equador. Além disso, manchas solares do ciclo iniciante têm sempre polaridade magnética contrária às manchas do ciclo anterior. Quatro, das cincos manchas observadas em outubro apresentavam essas duas características, claro sinal que pertenciam ao Ciclo Solar 24.

A maior mancha do novo ciclo emergiu no final de outubro de 2008 e recebeu o número 1007, ou "007". A mancha solar apresentava dois núcleos escuros maiores que a Terra e estavam conectadas entre si por filamentos de milhares de quilômetros
de comprimento.


Flare solar registrado
Flare solar, também chamado de rajada ou explosão solar, é uma explosão que acontece quando uma gigantesca quantidade de energia armazenada em campos magnéticos, geralmente acima das manchas solares, é repentinamente liberada. Os flares são medidos em uma escala que varia entre a Classe-A, muito fracos, até a Classe-X, muito intensos.

Nos dias 3 e 4 de novembro a "007" produziu uma série de flares solares de Classe-B, que apesar de serem considerados de baixa intensidade, foram sentidos na Terra. O bombardeio de raios-x atingiu o lado iluminado do planeta e produziu ondas de ionização que se propagaram por toda a Europa. Radioamadores que monitoravam emissões na banda de VLH (Freqüência Muito Baixa) perceberam o fenômeno através de estranhos fades (variações bruscas e blackouts) causados pelo distúrbio repentino na ionosfera.


Muito Importante
A observação solar só pode ser feita com extrema prudência e com auxílio de equipamentos e filtros apropriados, entre eles os filtros Baader, Thousand Oaks ou H-Alpha. A observação direta do Sol pode acarretar danos ou cegueira permanente. NUNCA OLHE DIRETAMENTE PARA o SOL.


Fotos: No topo, animação mostra o grupo de manchas "007" cruzando o disco solar durante os primeiros dias de novembro e 2008. Crédito: Solar and Heliospheric Observatory (SOHO). Acima, detalhe da mancha "007", captado pelo astrônomo amador Alan Friedman em seu observatório Nova York. Clique nas imagens para ampliar.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"O homem tem de estabelecer um final para a guerra, senão a guerra irá estabelecer um final para a humanidade" - John Kennedy