Quinta-feira, 14 nov 2019 - 16h52
Por Rogério Leite

Não é Papai Noel. É o novo trem de satélites Starlink que está no céu!

Em maio de 2019, uma espécie de carrossel luminoso formado por uma constelação de satélites passou a cruzar céu de todo o mundo. Agora, um novo trem está de volta. Ele é formado por nada menos que 60 satélites enfileirados e já pode ser visto nas noites escuras.

Constelação de satélites Starlink registrada por Evan Zucker em 12 de novembro de 2019, em San Diego, EUA.
Constelação de satélites Starlink registrada por Evan Zucker em 12 de novembro de 2019, em San Diego, EUA.

Chamado oficialmente de "Mega constelação Starlink", o trem luminoso é composto por 60 novos objetos, colocados no espaço no dia 11 de novembro pela empresa estadunidense SpaceX. O plano é colocar na orbita da Terra cerca de 12 mil unidades com o objetivo de formar a maior rede mundial provedora de internet via satélite.

Da mesma forma que os 60 satélites colocados em orbita em maio de 2019, os novos 60 artefatos também podem ser vistos a olho nu em uma noite escura, lembrando que a constelação anterior já não pode mais ser observada devido a grande altitude em que encontra cada objeto.

Os novos membros da constelação estão em orbita circular a 445 km de altitude e por terem sido lançados simultaneamente ainda estão navegando praticamente juntos. Para um observador aqui na Terra, a impressão visual é a de "trem" de pontos luminosos cruzando o firmamento noturno, refletindo a luz do Sol.

A olho nu, os satélite brilham entre as magnitudes 4 e 5, o que significa que são pontos bem pálidos no céu, lembrando que teoricamente o limite da visão humana é de 6 magnitudes (quanto maior o número, menos brilhante é o objeto).

Embora a altitude atual é de 445 km, ela deverá se elevar para 550 km quando estiverem em operação, o que significa não poderão mais serem vistos futuramente.


Como ver o trem Starlink
Para ver o "trem Starlink" deste segundo grupo é necessário que a luz do sol atinja a estrutura de cada satélite e seja refletida até nossos olhos. Para que isso aconteça é preciso que os seguintes fatores aconteçam ao mesmo tempo:

1 - Céu escuro: deve ser noite no local da observação
2 - Altura do Sol: o disco solar deve estar entre 10 e 25 graus abaixo da linha do horizonte
3 - Satélite iluminado: os raios de Sol devem estar atingindo diretamente o satélite
4 - Ângulo de elevação: o satélite deve estar pelo menos 25 graus acima do horizonte

Quando estas quatro condições forem satisfeitas dizemos que o satélite estará potencialmente visível.


Quando o trem de satélites vai passar?
Naturalmente, a observação de qualquer satélite depende dele estar em nosso campo de visão e para saber quando isso vai acontecer você pode precisa rastrea-lo, fornecendo sua localização. Isso pode ser feito através do nosso site SATVIEW, acessível através desse link:

RASTREIE O TREM STARLINK

Em São Paulo, por exemplo, o trem poderá ser visto nos dias 16, 17 de novembro antes do nascer do Sol e 18 de novembro, depois do pôr do Sol.

É importante lembrar que o "trem" apresenta baixa luminosidade. Assim, uma boa ideia é observar o céu em local bem escuro, longe de luzes fortes e se possível usar um binóculo de baixa amplificação, o que permitirá ver objetos mais tênues.

Bons céus!

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Amargas são as lágrimas derramadas, mas ainda mais amargas são as que não se derramam" - Provérbio irlandês