Terça-feira, 24 fev 2009 - 11h05

Nasa - Lançamento falha e satélite cai sobre o Pacífico Antártico

A agência espacial americana, NASA, confirmou que o satélite OCO - Laboratório Orbital de Carbono caiu nesta manhã sobre o Pacífico, na região da Antártida, logo após seu lançamento partir da base militar de Vandenberg, na Califórnia. Segund a agência a causa da falha ocorreu no momento da separação de um dos estágios do foguete Taurus XL, que carregava o satélite.

O OCO seria o primeiro satélite projetado para analisar as concentrações de dióxido de carbono - CO2 - na atmosfera terrestre e segundo a Nasa deveria mapear com precisão as regiões do planeta onde o gás está sendo emitido e ou absorvido. De acordo com a agência americana o satélite nem chegou a entrar em órbita.

Com a falha durante o lançamento, cientistas de todo o mundo viram frustradas as oportunidades de melhor compreender como funciona o mecanismo de concentração e dispersão do gás ao redor do globo, o que permitiria uma visão mais detalhada de como isso afeta o clima na Terra.

CO2 e IPCC
Pesquisadores alinhados com o IPCC - Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas - consideram o CO2 emitido a partir das atividades humanas como o principal responsável pelas alterações climáticas verificadas recentemente, mas não se conhece com precisão como ocorre sua movimentação através da atmosfera.

Desde o começo da Revolução Industrial no século 19, aproximadamente 40% dos gases responsáveis pelo efeito estufa permanecem na atmosfera e 30% desse total é absorvido pelos oceanos. O restante ainda é incerto e alvo de diversas pesquisas.

Segundo a Nasa, os dados do satélite OCO permitiriam um enorme avanço no monitoramento das emissões de CO2 e ajudariam os cientistas a desvendar diversos mistérios sobre o assunto. "Este seria o primeiro satélite da Nasa dedicado integralmente a mapear o CO2. O objetivo seria coletar dados de altíssima precisão que seriam usados nas buscas das fontes e depósitos de CO2 na superfície", disse David Crisp, cientista chefe do projeto e ligado ao JPL - Laboratório de Propulsão a Jato, da Nasa.


Constelação da Tarde
A altitude nominal do satélite deveria ser de 705 quilômetros acima da superfície, circulando a Terra em órbita quase-polar com 98.2 graus de inclinação. De acordo com a Nasa o tempo da missão seria de de pelo menos dois anos e orbitaria a Terra em formação com outros cinco satélites, também da agência americana, conhecidos como Constelação da Tarde, uma série de satélites que diariamente cruzam o equador terrestre após o meio-dia.

Se entrasse em órbita o laboratório orbital teria capacidade de efetuar 8 milhões de medições de CO2 a cada 16 dias, o que representaria um aumento gigantesco sobre os dados disponíveis atualmente e coletados através de pequenas redes de superfície, topos de edifícios ou aviões científicos.


Arte: Lançamento do satélite OCO (Orbiting Carbon Observatory) na manhã desta terça-feira a partir da base militar de Vandenberg, na Califórnia. Segundo a Nasa o satélite não chegou a entrar em órbita e caiu no oceano Pacífico na região da Antártida. Crédito: Nasa-TV.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Quem não compreende um olhar, tampouco há de compreender uma longa explicação" - Provérbio Arabe