Quinta-feira, 13 out 2005 - 06h44

Novo tremor de 5.6 graus provoca medo no Paquistão

Um forte tremor de terra abalou o Paquistão nesta quarta-feira, provocando medo entre os sobreviventes do terremoto do último sábado. A magnitude do tremor foi de 5,6 na escala Richter – dois pontos a menos do que o terremoto de dias antes que deixou pelo menos 23 mil mortos no Paquistão e na Índia.

O sismo occoreu à 1h23 do horário local (17h23 em Brasília) e teve seu epicentro a 135km da capital paquistanesa, Islamabad. Não há registros de vítimas.

Desde sábado, houve mais de 20 tremores subseqüentes, com um deles chegando a 6,2 pontos.

"Eles vão continuar por meses, possivelmente anos", disse o geofísico Don Blakeman, do Centro Nacional de Informações sobre Terremotos do Serviço Geológico dos EUA, à agência de notícias Associated Press.


Aproximação de rivais
A tragédia tem provocado cenas antes impensáveis entre indianos e paquistaneses na Caxemira, região disputada pelos dois povos.

Soldados da Índia atravessaram a linha de controle que divide a Caxemira para ajudar tropas paquistanesas a consertar os prédios destruídos pelo terremoto.

Em condições normais, a travessia teria terminado em sangue, diz o correspondente da BBC em Srinagar (capital da Caxemira indiana) Sanjeev Srivastava.

Inimigos históricos, Índia e Paquistão entraram em guerra duas vezes por causa da Caxemira, a região mais afetada pelo terremoto.

No entanto, em um contraste com a hostilidade que marcou a relação entre os dois países nos últimos 50 anos, eles trabalharam juntos para reconstruir bunkers, destruídos e transformados em abrigos depois do terremoto.

Com a ponte que conecta os setores indiano e paquistanês da Caxemira destruída, os dois governos também aliviaram restrições de movimentação de pessoas.

O correspondente da BBC informa que os habitantes da Caxemira têm pedido que o acesso seja ainda mais facilitado para que possam ajudar parentes e amigos do outro lado da linha de controle.

Em outro gesto de solidariedade, a Índia, menos atingida pelo tremor, entregou seu primeiro carregamento de ajuda, contendo medicamentos, cobertores e barracas para o Paquistão.

Nas cestas de suprimentos, levadas por aviões de carga, podia-se: "Do povo da Índia ao povo do Paquistão".

Depois de argumentar que a ajuda indiana deveria ser direcionada às vítimas do terremoto dentro da Índia, o governo paquistanês agradeceu à ajuda e lembrou que também enviou suprimentos à Índia quando ocorreu o terremoto que atingiu o Estado indiano de Gujarat, em 2001.


Estados Unidos
Helicópteros americanos foram pela primeira vez à cidade paquistanesa de Balakot, uma das mais atingidas, para entregar suprimentos e levar feridos da cidade.

Os médicos, que estão trabalhando em clínicas improvisadas, afirmaram que estão sobrecarregados, atendendo, em média, mil pessoas por dia.

O presidente paquistanês, Pervez Musharraf, agradeceu o envio dos 12 helicópteros militares americanos durante um encontro com a secretária de Estado dos Estados Unidos, Condolezza Rice, que, durante uma viagem pela Ásia, fez uma parada em Islamabad.

Depois de uma reunião com o primeiro-ministro paquistanês, Shaukat Aziz, Rice prometeu mais ajuda dos Estados Unidos.

"Estaremos com vocês não apenas hoje, mas também amanhã", disse a secretária, sem especificar a quantidade de ajuda que seria enviada ao país.


Ajuda
A ONU (Organização das Nações Unidas) estima que quatro milhões de pessoas tenham sido afetadas pelo tremor. Dois milhões perderam as suas casas e um milhão estaria passando extremas necessidades.

A organização lançou um apelo nesta terça-feira por US$ 270 milhões apenas para cobrir operações imediatas nas áreas mais afetadas pelo terremoto.

Segundo a ONU, os itens mais importantes agora são barracas, cobertores, aquecedores, remédios e helicópteros. A Otan (aliança militar ocidental liderada pelos Estados Unidos) já concordou em coordenar a distribuição de ajuda no Paquistão.

Na Caxemira indiana, o número confirmado de mortes chega a 1,3 mil, mas tende a aumentar. Com muitas estradas obstruídas, equipes de resgate ainda não conseguiram ter acesso a mais de 12 mil pessoas que vivem nas montanhas da região.

Os caminhões com ajuda humanitária que chegaram às cidades de Balakot e Muzaffarabad, também na Caxemira administrada pelo Paquistão, foram cercados por uma multidão desesperada.


Revolta
Em cidades destruídas, os sobreviventes procuram parentes e amigos entre os entulhos, mas, cinco dias depois do terremoto, as chances de encontrarem alguém com vida são cada vez menores.

Ainda assim, nesta quarta-feira, uma menina de cinco anos foi retirada viva dos escombros de sua casa em Muzaffarabad.


Leia também:

  • Terremotos on-line
  • Escala Richter
  • Terremotos noJapão
  • Terremotos na Califórnia
  • Terremotos no Chile
  • Tudo sobre o tsunami na Indonésia
  • Terremotos no Brasil
  • Terremotos na Turquia
  • Terremotos no Irã
  • Terremotos noEquador e Alaska
  • Pequenos tsunamis noJapão
  • 10 anos do terremoto de Kobe, Japão
  • Tempos de Propagação e Zona de Sombra
  • Terremotos mais destrutivos

  • LEIA MAIS NOTÍCIAS
    Base de Dados Completa

    Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
    Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
    Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














    Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

    Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

    "A recordação da alegria não é mais alegria / enquanto a recordação da dor é dor ainda" - Byron