Segunda-feira, 22 dez 2014 - 09h39
Por Avaní Soares

Observe a Lua e descubra os encantos da Baía de Rainbows

Sem dúvida, um dos primeiros alvos quando compramos um telescópio é a Lua. Disponível e encantadora, ela nos oferece diversas feições muito fáceis de serem reconhecidas. Uma delas é a fantástica baía Sinus Iridum, coladinha no gigantesco Mare Imbrium.

Crateras da Lua
Clique para ampliar

Sinus Iridum, ou a Baía de Rainbows, é uma das características mais encantadoras da Lua. Ele continua para fora no Mare Imbrium e foi nomeado pelo famoso observador lunar Giovanni Riccioli em seu mapa desenhado em 1651. Naqueles dias, é claro, acreditava-se que as áreas escuras realmente eram mares e que a Lua poderia muito bem ser um mundo adequado para a vida.

Sinus Iridum é chamado de baía, mas é realmente uma cratera cuja parede ao largo foi praticamente destruída. Apenas alguns fragmentos muito baixos desconectados podem ser rastreados.

Em outra parte a "parede" montanhosa é contínua e bastante elevada se destacando aí os Montes Jura, embora a aresta exterior é perturbada pela proeminente cratera Bianchini. A seção contínua é delimitada por duas capas, Promontorium Heraclides e Promontorium Laplace.

Foto da região lunar de Sidus Iridum
Clique para ampliar

O andar de Iridum inclina para baixo a partir da mare Imbrium, de modo que no lado oposto é de cerca de 61 m menor do que o nível do mar. Não há nada como este em qualquer outro lugar na Lua, mas a sequencia de eventos parece ser bastante simples.

O próprio Mare foi formado durante a época lunar em homenagem a ele - o Imbrium - que terminou a mais de três mil milhões de anos, de modo que é posterior ao Grande bombardeio. O impacto Iridum ocorreu antes das grandes lava-inundações, que representa a inundação da parede em direção ao mar.


Observando com telescópio
Eu disse que Sinus Iridum é uma das características mais encantadoras da Lua. Para isso, você deve pegá-lo no momento certo.

À medida que o Sol se levanta sobre ele, a fronteira montanhosa é iluminada por um lado e os topos dos picos pegam a luz do sol, enquanto o andar de baixo ainda está em trevas. O resultado é que a parede parece estar para fora e para além do terminador (a linha que divide o dia da noite), dando a impressão de que é completamente separado do corpo principal da Lua. Observadores Lunares referem a isso como o "Jewelled Handle".

Isso ocorre uma vez em cada lunação (ciclo lunar), bem antes de a Lua cheia, mas não dura por muito tempo. Como o sol se arrasta no chão inferior encontra-se no efeito "pega" desaparece.

É fascinante acompanhar as mudanças conforme aumenta a altitude do Sol. Até mesmo um pequeno telescópio irá mostrar-lhes bem. O andar em si é muito liso e há apenas algumas cratereletas razoavelmente bem marcadas.

Sinus Iridum sempre pode ser identificado quando é iluminado pelo sol. Observe as duas crateras bem marcadas Laplace e Helicon em Mare Imbrium ao norte. Exceto no momento do nascer do sol, a área parece bastante comum, mas na vinda da próxima lunação,
certifique-se de que você não se esqueça de prestar atenção para a glória do Jewelled Handle.



Artes: No topo, localização rápida de Mare Imbrium e Sinus Iridum, em uma foto do disco completo da Lua. Na sequência, esplêndida foto feita pelo autor do artigo, a partir de seu observatório em Canoas, RS. créditos: Avaní Soares, Apolo11.com.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Se os outros desistem da aposta todas as vezes que em que você tem uma boa mão, é porque está escondendo o jogo" - Curtis Jonhson