Segunda-feira, 26 mai 2008 - 09h08

Phoenix pousa com sucesso e envia as primeiras imagens do Planeta Vermelho

Após nove meses de viagem e depois de uma intrincada operação controlada por computadores, finalmente a sonda norte-americana Phoenix Mars Lander tocou o solo marciano.

O pouso ocorreu com grande precisão às 20h53 pelo horário de Brasília, na hora exata calculada pelos engenheiros. O local do pouso foi a menos de 5 quilômetros do ponto previsto, em uma região do ártico marciano conhecida por Vastitas Borealis, sobre as coordenadas 68.0 N e 234 W.


Apreensão e aplausos
Quem acompanhou a operação, transmitida ao vivo pelo Apolochannel, pode ver por diversas vezes a empolgação dos cientistas do JPL, que comemoravam cada vez que os sinais de telemetria confirmavam o sucesso das diversas fases da missão.

Um dos momentos de apreensão ocorreu quando a nave entrou no período de rádio-blackout, quando perdeu momentaneamente o contato com o satélite MRO, que orbita o planeta e é o responsável pelas comunicações da Phoenix com a Terra.

A perda de sinal era esperada e ocorre durante a formação do plasma de 1500 graus Celsius ao redor do corpo da nave, criado pelo atrito com as partículas presentes na alta atmosfera do planeta. Após dois minutos as comunicações foram re-estabelecidas, para alívio dos engenheiros.

No momento do pouso, Terra e Marte estavam separados por uma distância de 275 milhões de quilômetros. Assim, os sinais de rádio que confirmavam as etapas tinham um delay (atraso) de 15 minutos e 20 segundos até chegar à Terra, fazendo com que os eventos fossem confirmados somente após essa espera.

Uma após outra, as fases se confirmavam, desde o desprendimento do aeroshell, abertura do pára-quedas, acionamento do radar de pouso, ignição dos retrofoguetes e abertura das três pernas da sonda. O sinal de confirmação do toque no solo ocorreu exatamente às 20h53, seguido de palmas e abraços entre os membros do JPL, Laboratório de Propulsão a Jato, da Nasa.

Foram necessários mais 90 minutos até que as primeiras imagens do local do pouso fossem transmitidas pela câmera externa da Phoenix.

A primeira cena também era muito aguardada pelos cientistas e deveria mostrar os pés da sonda cravados corretamente sobre o solo gelado. E mais uma vez a Phoenix não decepcionou.

Logo em seguida outra imagem chegava ao JPL, desta vez apresentando os painéis solares abertos. A terceira cena era uma imagem panorâmica, que mostrava uma vasta região plana do Planeta Vermelho, provando que o local escolhido para o pouso não poderia ser melhor.

Fotos: As imagens mostram as primeiras cenas capturadas a partir da superfície de Marte. No topo, um típico padrão de rachadura poligonal registrado pela câmera da Phoenix se assemelha ao solo gelado das regiões árticas da Terra.

Em seguida vemos uma imagem panorâmica mostrando a vasta planície do norte marciano. Os cientistas acreditam que as rachaduras poligonais sejam o resultado de diversos períodos de derretimento e congelamento por qual Marte possa ter passado.

Na seqüência a primeira imagem enviada pela Phoenix: uma das pernas do robô firmemente assentada sobre o solo do planeta. Por último vemos um dos momentos de confraternização entre os engenheiros do JPL. Crédito: NASA/JPL

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Dizer a verdade é tão difícil quanto ocultá-la" - Baltasar Gracin