Quinta-feira, 31 jan 2008 - 10h18

Prepare-se: Vênus e Júpiter vão tomar toda a atenção do seu cérebro!

Nesta sexta-feira, um interessante fenômeno acontecerá no céu antes do Sol nascer. Não é nenhum truque de mágica ou efeito colateral desconhecido, mas apenas um belo encontro, que promete tomar bastante a atenção do seu cérebro. Literalmente.

Nesta madrugada, os dois planetas mais brilhantes do sistema solar, Vênus e Júpiter, estarão convergindo para um encontro espetacular. Os dois objetos estarão tão pertos um do outro que você será capaz até de escondê-los com a ponta do seu dedo indicador. E isso ainda não é nada!

Aproximadamente às 04h30 de sexta-feira, Vênus e Júpiter estarão a menos de 1 grau de separação e por estarem tão pertos, será difícil deixar de contemplá-los com toda atenção. Eles estarão hipnotizando você!

Mas calma! Antes que nossos usuários pensem que o pessoal do Apolo11 andou batendo a cabeça ou ficando meio malucos, vamos explicar o motivo. Sempre existe uma explicação científica para tudo, até para aparentes maluquices!

Naturalmente o temo hipnose não é muito adequado, mas a explicação para essa atenção redobrada do cérebro tem base na fisiologia do olho humano. Quando os dois planetas ou objetos ficam muito próximos entre si, eles de fato tomam mais a atenção do seu cérebro. Mas como?


A Fóvea
"Nossos olhos são como uma câmera digital", explica o Dr. Stuart Hiroyasu, professor de ótica da Universidade da Califórnia. "Na frente deles existe uma lente que focaliza a luz sobre uma matriz ótica, que captura essa luz. Essa matriz é conhecida como retina. A retina é constituída de elementos chamados cones e bastonetes, que são os equivalentes orgânicos dos pixels da câmera digital".

Próximo ao centro da retina se encontra a fóvea, uma área de aproximadamente 1.5 milímetros de largura onde os cones permanecem agrupados. "Tudo o que seus olhos focalizam sobre a fóvea você vê em alta resolução", explica o cientista. A fóvea é crítica ao ler, dirigir e ver televisão. A fóvea toma grande parte da atenção do cérebro.

O campo de visão da fóvea é de somente cinco graus de largura e nesta madrugada Vênus e Júpiter vão estão próximos que a luz refletida por eles atingirá diretamente o centro da fóvea e consequentemente tomará grande parte da atividade cerebral. "Será uma observação muito rica e hipnótica", completou Hiroyasu.


Muito mais shows!
Se mesmo com essa hipnose natural você conseguir tirar os olhos dos dois astros, dê uma olhadinha para cima. Outro encontro similar estará acontecendo, desta vez entre a Lua Crescente e estrela gigante Antares. Os dois objetos também estarão muito próximos, separados por apenas 2 graus e serão focalizados no mesmo campo de visão da fóvea, com a máxima resolução ótica e grande atenção do cérebro.

Se você perder o espetáculo de sexta-feira, não fique triste. O show continuará por alguns dias de fevereiro. Vênus e Júpiter permanecerão relativamente pertos, ao mesmo tempo em que a Lua caminha para se juntar à dupla. No dia 3 de fevereiro, domingo, o trio estará alinhado em uma linha curva e no dia 4 se agruparão para formar um dos mais interessantes triângulos celestiais que você já observou. É só ficar acordado. Ou levantar mais cedo!

Artes: No topo, carta celeste mostra o encontro entre Júpiter e Vênus às 04h30 da madrugada de sexta-feira, dia 01 de fevereiro. Na seqüência, diagrama esquemático mostra o olho humano e localização da fóvea. Acima, carta celeste mostra o interessante encontro entre a Lua, Vênus e Júpiter, no próximo dia 04 de fevereiro.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"A recordação da alegria não é mais alegria / enquanto a recordação da dor é dor ainda" - Byron