Terça-feira, 11 nov 2008 - 09h06

Sem energia e sob intenso frio, missão Phoenix chega ao fim

Após cinco meses de importantes descobertas e desafios, a missão Phoenix de exploração marciana chega ao seu final. O declínio constante da quantidade de Sol no local de pouso já não permitia mais a recarga das baterias da sonda, que lentamente teve seus principais circuitos desativados.

Sonda Phoenix

Os engenheiros da missão receberam o último sinal do explorador robótico no dia 2 de novembro. Os dados de telemetria informavam que o céu, antes claro, apresentava muitas nuvens e grande quantidade de poeira em suspensão, além da temperatura em constante declínio devido ao outono que se aproxima. De acordo com os engenheiros do JPL, Laboratório de Propulsão a jato, da Nasa, a missão excedeu todas as expectativas e se prorrogou por três meses além do planejado.

Apesar de considerarem a missão encerrada, a equipe de pesquisadores passará as próximas semanas na expectativa de que a Phoenix retome o contato com o JL. No entanto, devido às severas condições do tempo na região do ártico marciano, essa possibilidade é bastante remota. Ao mesmo tempo que o trabalho da Phoenix chega ao seu final, a tarefa de análise dos dados coletados está apenas começando.

"A Phoenix nos brindou com muitas surpresas e estou certo que encontraremos muitas respostas nessa imensidão de dados que estão para serem analisados", disse Peter Smith, principal cientista da missão junto à Universidade da Califórnia,


A Missão
Lançada em 4 de agosto de 2007, a sonda Phoenix Mars Lander pousou no ártico marciano em 25 de maio de 2008, na mais extrema região do hemisfério norte já explorada por uma máquina. Durante as atividades a sonda sugou, cavou, cozinhou e testou de todas as formas o solo do Planeta Vermelho. Entre os resultados detectou a presença já prevista de água congelada alguns centímetros abaixo da superfície. Apesar de que a água já havia sido detectada pela sonda Mars Odyssey em 2002, essa foi a primeira vez que os sensores de uma nave tocaram a água de Marte.

Sino balançando em MarteAlém da exploração física do planeta, as câmeras de alta resolução registraram mais de 25 mil cenas, desde vistas panorâmicas tridimensionais da paisagem extraterrestre até imagens em nível molecular, utilizando o primeiro microscópio de ampliação atômica já utilizado fora da Terra.

Os primeiros experimentos realizados pela Phoenix eram relacionados à influência do ambiente glacial marciano sobre o desenvolvimento de microorganismos. Durante as pesquisas os cientistas realizaram ampla documentação do solo, levemente alcalino e diferente daqueles estudados por missões anteriores. A sonda também descobriu pequenas concentrações de carbonato de cálcio, um sinal de possibilidade de existência de água líquida no planeta.

A história da água em Marte também foi bastante aprimorada após as escavações do solo, observações de neve em grandes altitudes, coleta sem precedentes de dados meteorológicos e observações de névoa, nuvens, gelo e redemoinhos.

"A Phoenix não somente venceu o tremendo desafio de pousar em segurança, mas trabalhou esplêndida e arduamente durante 149 dos 152 dias marcianos em que esteve em atividade. A missão Phoenix é o resultado de uma equipe muito unida e competente, da qual tenho imenso orgulho em fazer parte", disse o diretor do Projeto Phoenix Barry Goldstein, do JPL.


Plano B
Apesar do final da missão Phoenix ter sido oficialmente decretado, os engenheiros da missão reservaram um último cartucho que pode ressuscitar a sonda daqui alguns meses.

Antes que as baterias esgotassem totalmente, um pequeno programa instalado nos computadores de bordo realizou o último comando da missão, instruindo um pequeno circuito eletrônico, conhecido como watch dog timer (cão de guarda temporizado) a "acordar" quando os primeiros raios de Sol voltarem a brilhar na região onde a Phoenix está. Quando isso acontecer, um conjunto mínimo de instruções tentará acionar o sistema de recarga das baterias e se tiver êxito, enviará um comando para religar o computador principal, que entrará em contato com a Terra.

Utilizando essa mesma seqüência, os jipes-robôs Spirit e Opportunity conseguiram acordar e se recuperar do longo inverno marciano. Se o plano-B vai dar certo ninguém sabe, mas é o que os projetistas do robô estão torcendo para acontecer.


Fotos: No topo, concepção artística mostra a sonda Phoenix na região do ártico marciano, onde trabalhou por cinco meses. No detalhe, pequeno badalo balança ao sabor do vento marciano. O instrumento foi desenvolvido pela Universidade de Aarhus, ma Dinamarca e faz parte da estação meteorológica da sonda. Apesar de simples, ajudou os cientistas a conhecer melhor o comportamento do vento em Marte, prevendo a ocorrência redemoinhos no local da exploração. Clique para ver a animação. Créditos: NASA/JPL-Caltech/University of Arizona/Texas A&M University.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"O homem tem de estabelecer um final para a guerra, senão a guerra irá estabelecer um final para a humanidade" - John Kennedy