Quinta-feira, 11 jun 2009 - 08h44

Telescópio australiano registra impacto de sonda na Lua

A sonda lunar japonesa Kaguya se chocou na tarde de ontem (10 de junho) contra o hemisfério sul da Lua, produzindo um flash luminoso na região noturna do satélite e que pode ser registrado por observatórios terrestres. O evento marca o final da missão japonesa de mapeamento selenográfico, iniciado em setembro de 2007.

O impacto da sonda ocorreu às 15h25 pelo horário de Brasília e foi captado pelo Telescópio Anglo-australiano de 3.9 metros da universidade de South Wales, na Austrália. O flash produzido pelo choque durou cerca de dois segundos, mas o pico do brilho não passou de uma fração desse tempo, conforme mostram os fotogramas feitos pelos astrônomos Jeremy Bailey e Steve Lee, que documentaram o evento.

As observações foram feitas com o instrumento IRIS2, um espectrógrafo infravermelho equipado com filtro de banda estreita de 2.3 mícrons. Os registros apresentados são parte da série de imagens captadas com tempo de exposição de 1 segundo por frame, com intervalo entre frames de 0.6 segundo.

Ainda não se conhece ao certo os parâmetros cinéticos do choque, uma vez que a agência espacial japonesa, JAXA, não divulgou os detalhes do ângulo de impacto e velocidade nominal, mas estima-se que a sonda atingiu a Lua a 6 mil quilômetros por hora em ângulo bastante raso. Devido à elevada massa da sonda, de 2900 quilos, a energia do impacto deve ser superior a 1 tonelada de TNT.

O impacto de Kaguya foi confirmado pelos engenheiros japoneses, que comemoraram o fim da missão com uma salva de palmas. Segundo a Jaxa, os 17 meses em que a sonda realizou o sensoriamento remoto da Lua permitiram a construção de um novo modelo tridimensional avançado do satélite, além de realizar o maior levantamento do campo gravitacional e magnético da Lua.


Kaguya
Kaguya, oficialmente chamada Selene, foi lançada na noite de 13 de setembro de 2007 da base espacial de Tanegashima, a oeste do arquipélago japonês e foi o primeiro satélite nipônico a alcançar a órbita lunar.

Um mês após entrar na órbita da Lua, Kaguya liberou duas outras sondas menores que também entraram em órbita. Uma delas realizou parte do sensoriamento remoto do nosso satélite natural enquanto o outra efetuou medidas do seu campo magnético e gravitacional, além de servir de retransmissor de sinais entre o complexo orbital e a Terra.

O nome Kaguya homenageia uma famosa princesa dos tradicionais contos japoneses, sempre acompanhada de Okina e Ouna, os anjos-guardiões da princesa que dão nome aos satélites auxiliares da missão.

Leia mais sobre a sonda Kaguya


Fotos: A sequência de fotos mostra o impacto da sonda contra o hemisfério sul da Lua. Cada fotograma foi feito com exposição de 1 segundo. O momento do choque pode ser visto nitidamente na cena 2, enquanto nas cenas 3 e 4 somente tênues sinais térmicos podem ser detectados. Na sequência vemos os mesmos fotogramas animados e no detalhe a comemoração na agência espacial japonesa. Crédito:Anglo-Australian Telescope/Jeremy Bailey/Steve Lee/Jaxa/Apolo11.com

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Quem não compreende um olhar, tampouco há de compreender uma longa explicação" - Provérbio Arabe