Quarta-feira, 30 mai 2012 - 10h31

Telescópio registra impressionante imagem de protonebulosa

Desde que foi lançado, o telescópio espacial Hubble tem sido uma das mais importantes ferramentas de pesquisa sobre as estrelas similares ao nosso Sol. E apesar das belas imagens captadas, muitas delas revelam a triste realidade do fim das estrelas.

Nebulosa do Ovo - RAFGL 2688
Clique para ampliar

Uma dessas cenas mostra a Nebulosa do Ovo (RAFGL 2688), uma protonebulosa planetária de reflexão distante 3 mil anos-luz da Terra, na direção da constelação do Cisne. Ela representa bem o momento que antecede o final de algumas estrelas, quando seu combustível nuclear está quase esgotado.

Durante a fase protoplanetária (ou preplanetária), os restos remanescentes de uma estrela em envelhecimento, localizada no centro da nebulosa, aumentam de temperatura e excita o hidrogênio, tornando-o brilhante por alguns milhares de anos. Esse brilho fugaz é a penúltima fase luminosa na vida de estrelas com massas entre 1 e 8 massas solares.

Uma nebulosa protoplanetária não dura muito tempo, cerca de 10 mil anos, o que significa que existem poucos objetos semelhantes visíveis ao mesmo tempo. E justamente devido a essa combinação e raridade e fraqueza é que poucos foram até agora descobertas. A Nebulosa do Ovo, por exemplo, foi detectada em pela primeira vez em 1996 e muitos objetos similares ainda permanecem envoltos em mistério.

No cento da Nebulosa do Ovo, oculta por uma espessa camada de poeira e gás encontra-se a estrela central da nebulosa. Os pesquisadores não podem ver a estrela diretamente, mas quatro poderosos feixes de luz revelam sua existência. Os cientistas acreditam que a luz observada passe por buracos em forma de anéis, criados por jatos de ventos solar que travessa a poeira.

O mecanismo exato pelo qual os jatos estelares fluem por esses furos não é conhecido, mas acredita-se que um sistema binário, em vez de uma única estrela, existe no centro da nebulosa.

Além dos feixes luminosos, a imagem também revela camadas de nuvens difusas em uma estrutura bastante incomum, causada por explosões periódicas do material que está sendo ejetado da estrela moribunda. Os estudos mostram que essas explosões ocorrem normalmente a cada poucas centenas de anos.


Foto: A cena mostrada foi registrada pelo telescópio espacial Hubble, a partir de exposições no espectro visível e infravermelho detectados pela Câmera Grande Angular 3 (Wide Field Camera 3), a bordo do telescópio. Crédito: Nasa, Apolo11.com

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Os homens deveriam fazer com suas esperanças o que fazem com suas galinhas: cortar suas asas para que não possam fugir voando" - Lorde Halifax