Sexta-feira, 2 out 2009 - 09h31

Telescópio revela espetacular colar de pérolas no Cruzeiro do Sul

O colar de pérolas é uma das mais belas jóias que se pode criar com elementos da natureza. De beleza ímpar, revela a delicadeza das formas e hipnotiza os olhos de quem o vê. Mas a milhares de anos-luz de distância a natureza também cria seus próprios colares de pérolas, que despertam o interesse dos cientistas e encantam os observadores.


Clique para ampliar

No dia 3 de setembro, o recém-lançado telescópio espacial Herschel captava espetaculares imagens de nuvens de gás próximas ao plano da Galáxia, quando uma inesperada cena chamou a atenção dos pesquisadores. A imagem apresentava uma região fria, palco de uma verdadeira fábrica de estrelas, que como pérolas, se penduravam em um verdadeiro colar cósmico.

O reservatório de gás frio está localizado a milhares de anos-luz na constelação do Cruzeiro do Sul, a 60 graus do plano da Via Láctea e foi detectado pelos instrumentos SPIRE e PACS, dois equipamentos de observação espectral a bordo do telescópio europeu.

Registrada em cinco comprimentos de onda diferentes dentro do espectro do infravermelho, a imagem permitiu aos cientistas diferenciar com grande precisão as temperaturas da região, distinguindo o material extremamente frio, visto na imagem em tons vermelhos, daqueles mais quentes que o circundam, registrados em tons azuis. O resultado é uma estrutura nunca antes vista de material frio, que permitiu aos cientistas conhecerem sua massa, temperatura, composição e principalmente como age para formar novas estrelas.


Clique para ampliar

As imagens revelam uma surpreendente área de turbulência, onde o material interestelar se condensa em longos filamentos contínuos e interconectados, que reluzem devido à luz emitida pelas estrelas recém-nascidas em diferentes fases de amadurecimento, constantemente forjadas em nossa Galáxia.

As estrelas se formam em ambientes frios e densos, revelados facilmente nesta imagem na forma de filamentos, mas que seriam muito difíceis de serem identificados se a cena fosse captada em um único comprimento de onda.

Normalmente, em uma região muito populosa como esta, situada no plano da nossa galáxia e que contém muitas nuvens moleculares ao longo do campo de observação, os cientistas têm bastante dificuldade em resolver os detalhes da estrutura. Isso significa que objetos muito pequenos não podem ser vistos a partir dos telescópios terrestres, mas os sofisticados instrumentos a bordo do moderno observatório espacial superou essa limitação, capacitando os pesquisadores a observarem através da poeira cósmica, que apesar de ser opaca à luz visível, é perfeitamente transparente aos instrumentos que operam em infravermelho.

O resultado é uma visão incrível da rede de estruturas filamentosas, onde uma formação quase simultânea de estrelas recém-nascidas brilha como pérolas em um colar hipnótico.


Fotos: No topo, imagem composta mostra o espetacular colar de pérolas estelar, pendurado na brilhante rede de filamentos moleculares formada por gás frio e ionizado. Acima, duas imagens da mesma região feitas em comprimentos de onda diferentes. As cenas revelam as diferentes temperaturas da região. Em vermelho o gás extremamente frio foi registrado pelo instrumento SPIRE e em azul, o gás aquecido pela formação estelar é visto pelas lentes do instrumento PACS. Crédito: Agência Espacial Européia/ESA.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"A recordação da alegria não é mais alegria / enquanto a recordação da dor é dor ainda" - Byron