Terça-feira, 7 dez 2010 - 08h54

Temporada de furacões termina como terceira mais ativa da história

A temporada de furacões do Atlântico Norte 2010 terminou oficialmente no dia 30 de novembro e foi considerada pelo Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC), a terceira mais ativa da história, empatando com as temporadas de 1995 e 1887.

Imagem de satélite furacão Earl
Clique para ampliar

Entre junho e novembro deste ano, dezenove tempestades tropicais se formaram ao longo da bacia do Atlântico. Doze dessas tempestades ganharam força e viraram furacão, sendo que cinco deles atingiram ou superaram a categoria 3 na escala Saffir-Simpson, com ventos acima dos 200 km/h.

Foi a época mais ativa desde o recorde em 2005, confirmando as previsões da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) para este ano. O Centro de Previsão Climática da NOAA havia estimado a possível formação de 14 a 23 tempestades tropicais sobre as águas quentes que banham os Estados Unidos, o Caribe, a América Central e o Golfo do México. Entre 8 e 14 teriam potencial para virar furacão.

A temporada de 2009 foi considerada tranquila, muito em razão da presença do fenômeno climático El Niño que teve impacto significante, de acordo com os especialistas. Este ano, a La Ninã está influenciando no regime de chuvas e de temperatura e teve seu ponto mais alto entre os meses de agosto e outubro.

Caminho dos furacões em 2010
Clique para ampliar

Um gráfico divulgado pela agência espacial americana (NASA), mostra os volumes de chuva que ocorreram durante a temporada e a intensidade de cada tempestade ou furacão. Os dados são baseados no satélite TRMM (em inglês, Tropical Rainfall Measuring Mission).

Embora, a maioria das grandes tempestades curvou-se para o mar ao chegar perto dos Estados Unidos, muitas e já como furacões, causaram graves danos ao Haiti, ao leste do México e a América Central.

Áreas de chuvas significativas também aparecem na costa oeste da África sobre as águas abertas do Oceano Atlântico. As áreas de chuvas intensas com preciptações de 600 mm estão sobre o mar do Caribe a América Central. O furacão Earl se destaca entre as linhas e provocou chuva pesada e ventos fortes ao longo da costa nordeste dos Estados Unidos chegando atingir a categoria 4 na escala Saffir-Simpson.

Muito temiam o que iria ocorrer no Golfo do México, onde aconteciam as operações de limpeza do óleo que vazou durante o acidente com a plataforma de petróleo da empresa BP em abril deste ano. Porém, apenas uma tempestade prejudicou os trabalhos. O furacão Alex causou um atraso de cinco dias na remoção do óleo.


Fotos: No topo o poderoso furacão Earl, que se formou em setembro de 2010 e atingiu a categoria 4, na escala Saffir-Simpson. Abaixo, gráfico divulgado pela
Nasa mostra o caminho das tempestades e furacões da temporada 2010. Nele, vemos a intensidade das tormentas e o volume de chuva causado pelos sistemas. Crédito: Nasa / Apolo11.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Quem não compreende um olhar, tampouco há de compreender uma longa explicação" - Provérbio Arabe