Quinta-feira, 26 fev 2009 - 07h31

Tudo pronto para o lançamento do telescópio espacial Kepler

A busca por planetas fora do Sistema Solar - os exoplanetas - tem se tornado quase uma obsessão entre astrofísicos, que têm utilizado todas as tecnologias possíveis para a detecção desses objetos, muitos deles a milhões de anos-luz do nosso planeta. Para auxiliar os cientistas nessa incansável busca, a agência espacial americana, Nasa, desenvolveu uma nova ferramenta que será colocada no espaço nos próximos dias: O telescópio Espacial Kepler.

O lançamento do telescópio será feito através de um poderoso foguete do tipo Delta II e está previsto para ocorrer no próximo dia 6 de março às 00h40 pelo horário de Brasília a partir da base de Cabo Canaveral, na Flórida.

Esta será a primeira missão mundial com a capacidade de detecção de planetas rochosos similares à Terra e que orbitem estrelas parecidas com nosso Sol. Um dos principais objetos da missão será detectar a presença de água em estado líquido, essencial para a formação da vida como a conhecemos.

O telescópio foi projetado para detectar o escurecimento periódico de uma estrela, que ocorre sempre que um planeta passa à frente do disco luminoso. Para isso Kepler conta com os mais sensíveis sensores luminosos até agora desenvolvidos, capazes de detectar variações luminosas menores que 20 partes por milhão. Para atingir essa resolução os cientistas contarão com a maior câmera digital já colocada no espaço, com capacidade de 95 megapixels.

"Se Kepler fosse apontado para uma pequena cidade na Terra durante a noite, seria capaz de detectar a diminuição de brilho provocada pela passagem de uma pessoa à frente de uma lanterna", disse James Fanson, diretor do projeto junto ao Laboratório de Propulsão a Jato, da Nasa.


100 mil estrelas
Kepler permanecerá pelo menos 3.5 anos de sua vida analisando a luz vinda de uma única e estreita faixa da Via-Lactea, na região entre as constelações de Cygnus e Lira. De acordo com Fanson, teoricamente os planetas dentro da zona habitável devem levar 1 ano para completar uma revolução ao redor da estrela. Segundo o cientista o período de 3.5 anos é necessário para confirmar a presença desses objetos. Estima-se que na pequena janela de observação existem aproximadamente 100 mil estrelas.

Uma das características de Kepler é o modo como será posicionado no espaço, que permitirá que uma mesma estrela seja observada constantemente durante todo o período da missão.

Espera-se que o telescópio descubra centenas de planetas iguais ao nosso e diversos outros em diferentes distâncias da estrela-mãe. Se os planetas iguais à Terra forem comuns na zona habitável, o telescópio deverá encontrá-los. No entanto, se forem raros, Kepler poderá não os detectar. De acordo com Michael Bicay, diretor de ciências do Centro de Pesquisa Ames, da Nasa, um resultado nulo é tão importante quanto encontrar diversos planetas.

Seja qual for o resultado da missão Kepler, esse é o primeiro passo para responder uma questão formulada pelos antigos gregos: Afinal, existem outros mundos iguais aos nossos ou estamos sozinhos no Universo?


Fotos: No topo, campo de visão do telescópio Kepler. O telescópio permanecerá 3.5 anos analisando a luz vinda de uma única e estreita faixa entre as constelações de Cygnus e Lira. Estima-se que nesta região existam aproximadamente 100 mil estrelas. Acima, momento em que o telescópio é desembarcado na plataforma de lançamento de Cabo Canaveral, em 21 de fevereiro de 2009. Créditos: Nasa.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Amargas são as lágrimas derramadas, mas ainda mais amargas são as que não se derramam" - Provérbio irlandês