Procure no Apolo11
Sexta-feira, 30 set 2022 - 11h33
Por Rogério Leite

Vídeo: Veja o impacto contra o asteroide Dimorphos registrado por telescópios

Durante o impacto da sonda DART contra o asteroide Dimorphos, em 26 de setembro de 2022, diversos telescópios baseados em Terra e no espaço se voltaram para o pequeno o objeto de 160 metros, na tentativa de registrar ao menos alguma luz que pudesse testemunhar o choque cinético. E as imagens registradas são de tirar o fôlego.

Entre os instrumentos mais conhecidos que estavam vigiando Dimorphos, estavam os telescópios espaciais Hubble e James Webb, que produziram cenas coloridas de alta resolução, mesmo de objetos situados a 11 milhões de quilômetros da Terra.

Além dos gigantes Hubble e James Webb, alguns observatórios terrestres menos conhecidos, mas não menos poderosos, captaram o impacto de forma mais realista, produzindo sequencias time-lapse ainda mais impactantes.

Imagem registrada pelo telescópio do observatório ATLAS mostra os momentos antes e depois do impacto da sonda Dart contra o asteroide Dimorphos. Crédito: Atlas Project.
Imagem registrada pelo telescópio do observatório ATLAS mostra os momentos antes e depois do impacto da sonda Dart contra o asteroide Dimorphos. Crédito: Atlas Project.

Entre os instrumentos terrestres, o destaque ficou por conta dos telescópios do observatório ATLAS, uma parceria entre a NASA e a Universidade do Havaí que tem como objetivo produzir alertas contra asteroides que possam impactar a Terra.

As imagens produzidas por esses telescópios mostram com extrema clareza a força do impacto, registrando a ejeção de poeira e rochas arremessadas a quilômetros de altitude e posteriormente espalhadas no espaço.

Os vídeos do projeto Atlas foram feitos através de dezenas de fotos estáticas registradas durante 40 segundos cada uma, resultando em um time-lapse que cobre um total de 2 horas antes e depois do impacto.


Baixando a orbita do asteroide
Diferentemente do que muitos pensam, o objetivo do impacto da sonda Dart contra o asteroide Dimorphos não era o de empurrar a rocha e tira-la de sua posição no espaço. A ideia dos cientistas era produzir uma forte perturbação capaz de diminuir sua velocidade orbital em alguns segundos e consequentemente reduzir sua distância em relação a Didymos A, ao redor do qual orbita.

Antes do impacto frontal, a velocidade de translação de Dimorphos ao redor de Didymos A era de 42900 segundos. Com o impacto cinético, os cientistas esperam que a velocidade diminua em cerca de 10%, reduzindo em 15 metros a distância entre as duas rochas.

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.




Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2022

"Quando as pessoas falam mal de ti, viva de modo que ninguém acredite nelas" - Platão -