Quinta-feira, 19 fev 2009 - 10h17

Visível, cometa Lulin se aproxima cada vez mais da Terra

A presença da Lua nos últimos dias praticamente ofuscou, com seu forte brilho, a observação direta do cometa Lulin no céu noturno. Agora a Lua não está mais presente nas imediações e o aumento de brilho do cometa promete um grande show celeste neste dias de Carnaval.

O brilho de C/2007 N3 Lulin está agora estimado em +5.7 magnitudes, o que permite observá-lo, mesmo à vista desarmada, em um céu bastante limpo e longe da poluição luminosa e atmosférica. No entanto, se você não quer perder a oportunidade de ver o ilustre viajante o melhor mesmo é utilizar um binóculo ou uma pequena luneta. Assim, as chances de observação serão mais bem aproveitadas.

Atualmente Lulin se localiza a 67 milhões de quilômetros da Terra, entre as estrelas Spica e Porrima, ambas na constelação de Virgem. Spica, a Alfa de Virgem, é a mais brilhante da constelação o que torna a localização do astro mais facilitada.

No dia 26 de fevereiro o cometa atingirá o perigeu e sua distância da Terra será inferior a 60 milhões de quilômetros. Os cálculos indicam que o brilho de Lulin atingirá 4.7 magnitudes, suficiente para enxergá-lo com facilidade sob um céu escuro e livre de poluição, mas observadores experientes dizem que esse brilho não passará de 5.5 magnitudes, lembrando que quanto maior a magnitude menor o brilho de um objeto.

Apesar do momento de maior aproximação entre o cometa e a Terra ocorrer no dia 26, astrônomos amadores e profissionais aguardam com ansiedade os próximos dias 23 e 24, quando Lulin entrará em conjunção com o planeta Saturno na constelação de Leão, proporcionando um espetáculo celestial de tirar o fôlego dos observadores.

Se você ainda não tem um telescópio ou uma pequena luneta, peça emprestado. Oportunidade igual a essa vai demorar um pouco!

Lulin
C/2007 N3 é um cometa não periódico descoberto no dia 11 de julho de 2007 pelos astrônomos Quanzhi Ye, do observatório de Guangzhou, na China e seu colega Chi Sheng Lin, do Instituto de Astrofísica de Lulin, em Taiwan.

Visto através de um pequeno instrumento Lulin tem a aparência de uma bolinha difusa e esverdeada. Essa coloração é causada pela presença abundante de Cianogênio CN e carbono biatômico, C2, que quando submetidos à luz solar emitem luz verde no comprimento de onda ao redor de 550 nanômetros.

Observado com maior atenção, no interior da bolinha esverdeada existe com um ponto mais claro e brilhante, chamado núcleo. Ainda não se conhece exatamente as dimensões do núcleo de Lulin, mas estima-se que tenha algo entre 5 e 35 quilômetros de diâmetro.


Correção: Anteriormente a matéria citava que o cometa Lulin é do tipo não-periódico e que que não orbitava o Sol. Na realidade o cometa orbita o Sol mas seu período é tão longo (cerca de 50 milhões de anos) que essa pode ter sido sua única passagem pelo sistema solar.


Artes: No topo, sequência de imagens registrada no dia 17 de fevereiro pelo astrônomo Joe Gafford, do Colorado, mostra o momento em que uma rajada de vento solar parte a cauda do cometa Lulin. Acima, carta celeste mostra a posição do cometa até 23 de fevereiro, quando o cometa entra em conjunção com Saturno. Clique sobre a carta para animá-la. Créditos: Joe Gafford/SpaceWeather/Apolo11.com

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"O homem tem de estabelecer um final para a guerra, senão a guerra irá estabelecer um final para a humanidade" - John Kennedy