Quarta-feira, 28 dez 2004 - 07h03

Vítimas do tsunami passam de 26 mil. Pelo menos um terço eram crianças

28 dez 2004 - 07h03 - Dois dias após o maremoto que atravessou o oceano Índico e atingiu diversos países, a comunidade internacional começa a prestar os primeiras socorros. Segundo a Unicef, um terço das vítimas eram crianças e o tamanho da tragédia pode ser muito maior.

No Sri Lanka, o país mais atingido, 14 mil pessoas morreram. Na Índia o número de mortos já passa de 8 mil, enquanto na Indonésia as vítimas chegam a 5 mil. Na Tailândia o número de vítimas passou de mil e nas Maldivas chega a 75 o número de pessoas que perderam a vida.

A força do tsunami foi tão intensa que foi sentida tragicamente no Quênia e na Somália, na costa leste da África, 6 mil quilômetros de distância. Na Somália 26 pescadores foram mortos e no Quênia duas pessoas foram levadas pelas ondas que chegaram a cobrir os barcos.

O tremor, de 9 graus na escala Richter aconteceu às 23h58 UTC do último sábado, 160 quilômetros a noroeste da ilha de Sumatra, sob uma profundidade de 10 km. A energia liberada no evento foi superior à de 5 milhões de bombas atômicas iguais a que explodiu em Hiroshima, em 1945, devastando a cidade.

Ontem, equipes de socorro internacional começaram a chegar aos locais afetados. Itália, França, Paquistão e Inglaterra foram os primeiros países a enviar ajuda. Equipes de voluntários também partiram do Japão na noite de ontem.

Vídeo mostra onda gigante atingindo hotel na Tailândia. Assista

LEIA MAIS NOTÍCIAS
Base de Dados Completa

Se você precisa de uma base de dados de latitude e Longitude das cidades brasileiras, clique aqui.
Podemos fornecer uma base completa, com mais de 5500 cidades em formato Excel.
Ideal para Projetos, Desenvolvimentos e construção de aplicativos.














Termo de Uso  |   Links Úteis  |   Imprensa  |  Anuncie  |  Fale Conosco  |  Versão Celular  |   Política de Privacidade

Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2019

"Existem velas que iluminam tudo, menos o próprio candelabro" - Hebbel