Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Espaço - Tecnologias
Segunda-feira, 3 ago 2009 - 09h29

Marte: engenheiros da Nasa tentam desatolar robô Spirit

Cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, JPL, travam há dois meses uma batalha épica para libertar o jipe-robô Spirit, atolado na superfície de Marte desde maio. Na tentativa de soltar o robô, os pesquisadores criaram um verdadeiro cenário marciano onde estudam a melhor estratégia para salvar o jipe.


Clique para ampliar

Para recriar o ambiente marciano os pesquisadores do JPL alocaram um espaço na Universidade da Califórnia e ali montaram o mesmo cenário onde está preso o jipe-explorador. Os engenheiros construíram uma espécie de caixa de areia com a mesma inclinação, textura e topografia da região de Tróia, um local a oeste do platô Home Plate onde o Spirit está atolado. O papel do Jipe-explorador está sendo desempenhado por uma réplica idêntica a que está em operação no Planeta Vermelho.

As simulações da estratégia são feitas quase todos os dias, o que obriga os pesquisadores a refazerem constantemente o cenário de operações, que incluem além do reposicionamento do jipe auxiliar a alteração da consistência da areia, criada especialmente para as simulações.

O maior desafio da equipe, batizada de "Free Spirit", se concentra em remover uma das rodas completamente afundada na areia fofa de Tróia e que teima em "patinar" a cada tentativa de locomoção. O jipe atolou em maio (2009) quando se dirigia à região sul de Home Plate, onde deveria realizar novos trabalhos.

Para auxiliar na formulação da composição e consistência da areia, os cientistas estão utilizando os dados fornecidos pelo próprio Spirit. De Terra os pesquisadores enviam curtos comandos a cada uma das rodas separadamente e aguardam durante vários minutos as informações de telemetria que informam sobre a resistência do terreno e deslocamento de material. De posse dos dados os cientistas refazem o palco de operações, rodam novos modelos e reiniciam as simulações.


Clique para ampliar

Na última semana os engenheiros reproduziram com sucesso uma tentativa de remoção e dirigiram o robô por diversos metros dentro da caixa de areia. De acordo com John Callas, diretor da missão para os jipes exploradores em Marte, a primeira tentativa de remoção do robô será feita no início deste mês (agosto de 2009), mas antes farão outra série de simulações até decidirem qual será a estratégia mais adequada para desatolar o robô, em operação em solo marciano desde janeiro de 2004.


Do outro lado do planeta...
Enquanto o jipe-robô Spirit vive seu drama aprisionado na areia fofa de Tróia, seu irmão gêmeo Opportunity continua seu trabalho do outro lado do planeta e neste momento está frente a frente uma rocha de 60 centímetros, que no entender dos pesquisadores, pode ser um meteorito.


Clique para ampliar

A rocha foi observada pela primeira vez no dia 18 de julho, quando o jipe caminhava ao redor de uma das crateras sob estudo. Ao descobrirem o objeto os cientistas ordenaram ao jipe que retornasse os 250 metros já percorridos e se posicionasse próximo à rocha, com o objetivo de estudá-la mais detalhadamente.

Batizada de Block Island, a pedra será testada com o espectrômetro de raios-x e partículas Alfa e os resultados poderão comprovar se de fato se trata de um fragmento de meteorito.



Fotos: No topo, os engenheiros Mike Seibert e Sharon Laubach checam a exata posição do robô antes de cada simulação. Na sequência, o piloto do jipe Paolo Bellutta, à esquerda da foto, mede o movimento lateral e o deslizamento ocorrido após uma das manobras. Ao seu lado, em pé, o diretor da missão Alfonso Herrera checa no computador os dados coletados. Acima, foto registrada em 28 de julho de 2009 pelo robô Opportunity mostra o possível meteorito Block Island. Créditos: Nasa/JPL/Caltech.







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"O acaso não existe; o que chamamos de acaso é o efeito de uma causa que não conhecemos" - Voltaire