Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Fenômenos Naturais - Furacões
Terça-feira, 4 set 2007 - 09h20

Com ventos de 260 km/h, Furacão Felix toca a costa da Nicarágua

Após perder ligeiramente sua força nas últimas horas, o poderoso furacão Félix se recuperou e atingiu novamente a categoria 5 na escala Saffir-Simpson, momentos antes de atingir a costa nicaragüense na manhã desta terça-feira.

Os ventos de Félix, que haviam diminuído nas últimas horas, voltaram a ficar acima de 260 km/h, o que torna a tormenta extremamente poderosa. Modelos matemáticos mostram que após invadir o continente, Félix deverá atravessar todo o território hondurenho, passar sobre El Salvador, Guatemala e finalmente chegar ao México. Em sua incursão sobre o continente, Félix deverá perder força gradualmente, passando de furacão categoria 5 à depressão tropical em menos de quatro dias.

Imagens de satélites (acima) recebidas nesta manhã de terça-feira mostram que o centro do furacão se localiza sobre a latitude 14.3 N e 83.2 W, a apenas 15 km de Puerto Cabezas, ao sul da fronteira entre Honduras e Nicarágua, no Mar do Caribe.

O sistema move-se a 26 km/h em sentido oeste. Este movimento deve permanecer pelas próximas 24 horas, acompanhado de uma gradual queda na velocidade de deslocamento. Confirmando-se a dinâmica, o centro de Félix deve entrar em território hondurenho ainda esta noite, após cruzar o norte da Nicarágua.

Dados coletados por avião caça-furação mostram que os ventos sustentados pela tormenta são de 264 km/h, com rajadas atingindo mais de 290 km/h. Isso faz de Félix um sistema potencialmente catastrófico de categoria 5 na escala Saffir-Simpson, com diâmetro aproximado de 600 km. Ventos dessa magnitude são capazes de provocar ondas de mais de 5.5 metros e destelhar a maioria das casas e prédios industriais, além de arrastar as casas menores.

Ventos com intensidade de furacão são registrados a mais de 75 km desde o centro de Félix enquanto ventos com intensidade de tempestade tropical se estendem a 180 km desde seu centro. A pressão barométrica medida através de sondagem direta é de 93.5 kPa.

Artes: No topo, imagem de satélite do furação Félix, recebida na manhã de terça-feira, 04 de setembro de 2007. Acima, modelo de previsão indicando o provável caminho a ser seguido nos próximos cinco dias.

saiba mais:
O avanço do furacão Félix sobe a América Central pode ser acompanhado aqui no Apolo11.com através de imagens de satélites e modelos de previsão. Clique aqui







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"A gente só diz sim ou não no casamento e, ainda assim, às vezes erra." - Itamar Franco