Espaço - Ciências - Fenômenos Naturais
Compartilhe! 

Editoria: Fenômenos Naturais - Furacões
Quinta-feira, 29 mai 2008 - 12h04

Alma dá início à temporada de furacões no Pacífico Norte

Faltando pouco menos de dois dias para o início oficial da temporada de furacões, a primeira tempestade tropical já se formou no Pacífico Norte. Alma, como foi batizada a depressão tropical número 1, ganhou força nas últimas horas e já provoca fortes temporais na costa Oeste da Nicarágua, na América Central.

Diversos avisos de tempestade tropical já estão em vigor naquela região, desde a porção noroeste da Costa Rica até El salvador. Imagens de satélite mostram que o centro de Alma se localiza próximo à latitude 11.5 N e longitude 86.8 W, aproximadamente a 85 km a sudoeste de Manágua, na Nicarágua e 355 km a sudeste de San Salvador, em El Salvador.

De acordo com o Centro Nacional de Furações dos EUA, NHC, Alma se move em sentido norte a 9 km/h e este movimento deve se manter durante as próximas 24 horas. Mantendo esta dinâmica o centro da tormenta deverá atingir a costa da Nicarágua ainda esta noite e a costa de Honduras e El Salvador na sexta-feira.

Alma apresenta os ventos sustentados de 75 km/h com rajadas ultrapassando a marca de 105 km/h. Segundo o NHC, Alma pode ganhar mais intensidade antes de entrar no continente.

Os ventos com intensidade de tempestade tropical atingem 165 km desde o centro da tormenta, onde a pressão barométrica estimada é de 1001 hPa. A quantidade de chuva prevista pode chegar a 300 milímetros sobre partes da América Central, incluindo a costa noroeste de Costa Rica, El Salvador e Guatemala. Nas áreas mais elevadas da costa são estimados até 400 milímetros de precipitação e que podem provocar deslizamentos e inundações.

Gráfico: Previsão da deslocamento da tempestade tropical Alma para os próximos 5 dias. Crédito: NHC







Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"Dignidade não consiste em possuir honrarias, mas em merecê-las" - Aristóteles