Mapas e imagens de satélite sobrepostos




Ivan provoca enormes prejuízos nos EUA
Veja algumas fotos

No Alabama, o condomínio Crystal beach não resistiu à força dos ventos e veio abaixo.











Um enorme navio-tanque foi arrastado e ficou encalhado junto a outras embarcações, também destruídas, na marina de Brown, em Pensacola, na Flórida.








Uma área de playground completamente destruída dentro de um dos condomínios em Orange Beach, no estado do Alabama.








Na Flórida, uma secção da ponte Interstate 10 veio abaixo, esmagando a cabine do caminhão que passava sob o vão.










Enchentes, desmoronamentos, entulhos por todas as partes e até mesmo barcos podiam ser vistos pelas ruas de diversas cidades da costa americana, ao norte do Golfo do México, após a passagem do furacão Ivan, nesta quinta-feira.

Com ventos de 225 km/h, o furacão Ivan, considerado um dos mais violentos da história, deixou destruição por onde passou.

Desde que se formou no dia 15 de setembro, Ivan causou a morte de 60 pessoas em países caribenhos. Entre eles, Granada e Jamaica foram os que mais sofreram. O primeiro-ministro de Granada pediu ajuda internacional para reconstrução do país, já que 90 por cento das construções da cidade foram destruídas.
A rica Grande Caimã, também não foi poupada. Transmissões captadas por radioamadores na região informavam que após a passagem do furacão, a altura das águas dentro das casas chegava a quase dois metros e seus moradores estavam sobre os telhados.

Ontem foi a vez dos Estados Unidos. Até o momento 17 pessoas foram mortas, três delas no estado da Flórida, onde tornados se formaram durante a passagem de Ivan. As cidades costeiras sofreram pesados danos. Em algumas delas, como Orange Beach, um condomínio inteiro veio abaixo.


No Caribe, a tempestade tropical Jeanne continua preocupando autoridades locais e também o governo dos Estados Unidos.

Durante a madrugada de quarta-feira, ainda na condição de tempestade tropical, Jeanne causou pesados temporais em Porto Rico, com rajadas de vento atingindo 108 km/h. Durante o dia, os ventos da tempestade aumentaram significativamente e transformaram Jeanne em furacão categoria 1.

Nesta madrugada perdeu força e atingiu a República Dominicana, onde neste momento está causando pesadas chuvas, com vendavais de até 109 km/h.

Data-tracking deste sistema mostra que Jeanne deve chegar às Bahamas ainda hoje, já como furacão, e continuar rumando em direção aos Estados Unidos. Clique aqui e acompanhe o data-tracking e desenvolvimento de Jeanne.




Página Principal - Conheça melhor o Apolo11.com


Histórico

Ivan enfraquece e Jeanne já preocupa autoridades

Quinta-feira, 16 de setembro de 2004, 20h27 - Após atingir os Estados Unidos desde a madrugada, um dos mais fortes e violentos furacões da história, perdeu sua força.

O poderoso furacão Ivan que chegou a atingir a categoria 5 na escala Saffir-Simpson é agora uma tempestade tropical prestes a perder até mesmo esse status e ser rebaixado ainda mais, para uma simples depressão tropical.

Desde que atingiu a categoria de furacão, no dia 5 de setembro, Ivan atravessou todo o Mar do Caribe até chegar à costa-norte-americana, passando pelo Canal de Yucatan e Golfo do México. Nessa travessia, matou 67 pessoas na região caribenha e 17 pessoas nos Estados Unidos.

Ao atingir o estado do Alabama nesta madrugada, os ventos chegavam a 225 km/h. Cidades costeiras ficaram inundadas e provocou o transbordamento do Rio Mississipi.

Na cidade de Gulf Shores, no Alabama, que recebeu o impacto do furacão às 02h50 (hora local), os quebra-ondas ficaram praticamente submersos em até 2 metros de água.

Na Flórida, que sofreu com a chegada de três furacões em menos de 30 dias, três pessoas foram mortas devido aos tornados que se formaram na região oeste do estado.

No boletim número 58, emitido às 18h00 (Hora de Brasília) o centro Nacional de Furacões informou que a Ivan, agora tempestade, se localizava sobre as coordenadas 33.1 N e 87.0 W, aproximadamente a 37 km a sul-sudoeste de Birmingham, no Alabama. Os ventos sustentados decaíram e estavam em 96 km/h com fortes rajadas. A pressão barométrica, medida por estações meteorológicas em terra subiu bastante e era, no momento do boletim, de 980 Hpa.

Na foto acima, um posto de gasolina, localizado em Mobile, Alabama, ficou submerso após a passagem do furacão Ivan.


No Caribe, a tempestade tropical Jeanne já preocupa autoridades locais e também o governo dos Estados Unidos.

Durante a madrugada, ainda na condição de tempestade tropical, Jeanne causou pesados temporais em Porto Rico, com rajadas de vento atingindo 108 km/h. Durante o dia, os ventos da tempestade aumentaram significativamente e transformaram Jeanne em furacão categoria 1.

Ao atingir a República Dominicana, onde está nesse momento, perdeu força e retornou ao status de tempestade tropical, mas deve ganhar força novamente ao se afastar do Haiti, onde deve chegar na tarde de sexta-feira. Clique aqui e acompanhe o desenvolvimento de Jeanne.

Ivan atinge o Alabama com ventos de 225 km/h

Quinta-feira, 16 de setembro de 2004, 06h59 - Ivan, um dos mais ferozes furacões da história, atingiu nesta madrugada o estado norte-americano do Alabama, próximo à cidade de Gulf Shores. O impacto aconteceu à 03h50 Hora de Brasília.

De acordo com o Centro Nacional de Furacões (NHC), ao tocar a costa os ventos sustentados do furacão eram de 225 km/h com rajadas atingindo 260 km/h.

Horas antes de tocar a costa, Ivan produziu uma série de tornados que causaram a morte de pelo menos duas pessoas em Panama City Beach, na Flórida.

Os intensos ventos, acompanhados de ondas gigantes atingiram quatro estados ao norte do Golfo do México, arrancando árvores, derrubando postes e interrompendo o fornecimento de energia elétrica de milhares de moradores ao longo da costa.

Pelo menos dois milhões de pessoas nos estados de Louisiana, Mississipi, Alabama e Flórida tiveram que abandonar suas casas, obedecendo a avisos de evacuação obrigatória.

Apesar de cientistas preverem que ao tocar a costa Ivan diminuiria significantemente de intensidade, no último boletim divulgado às 06h00 (Hora de Brasília) o NHC informava que os ventos sustentados estavam em 184 km/h com rajadas atingindo 225 km/h. Essa velocidade coloca Ivan na categoria 3 da escala Saffir-Simpson.

No momento deste boletim o olho de Ivan se encontra dentro do continente, sobre as coordenadas 30.9 N e 87.7 W, ou aproximadamente a 64 km a noroeste de Pensacola, na Flórida.

Ivan desloca-se me sentido norte, com velocidade de 22 km/h e sua pressão barométrica, medida por estações meteorológicas instaladas em terra é de 947 hPa.

Na foto acima ondas com até 2 metros de altura podiam ser vistas próxima à cidade de Mobile, Alabama, horas antes da chegada de Ivan.


No Caribe, a tempestade tropical deixa Porto Rico e ruma para a República Dominicana. Jeanne deve se transformar em furacão nas próximas horas. Clique aqui e acompanhe o fortalecimento deste sistema.

Furacão Ivan deve atingir o Alabama nesta madrugada

Quarta-feira, 15 de setembro de 2004, 21h00 - O furacão Ivan continua avançando em direção à costa norte do Golfo do México e de acordo com modelos numéricos de previsão, a baía de Mobile, no estado do Alabama, deverá receber o impacto direto, com ventos de categoria 3 ou 4.

Às 20h00, o centro Nacional de Furacões informava, em seu boletim 54A, que o olho do furacão Ivan se localizava sobre as coordenadas 28.8 N e 88.2 W, ou aproximadamente a 168 km ao sul da costa do Alabama, ao norte do Golfo do México. Os ventos sustentados de Ivan continuavam muito fortes e atingiam 217 km/h com rajadas chegando a 255 km/h. Essa velocidade coloca Ivan na categoria 4 da escala Saffir-Simpson, que vai até 5.

Sua velocidade de deslocamento era de 22 km/h em direção norte. A pressão barométrica medida por aviões caça-furacão era de 931 hPa.

Na foto acima vemos o Navio USS Alabama, que está servindo de abrigo a funcionários de um museu militar.

No Atlântico aberto, a tempestade tropical Jeanne alcança Porto Rico e deve se transformar em furacão nas próximas horas. Autoridades das Bahamas, Haiti e República Dominicana já emitem avisos de furacão. Clique aqui e acompanhe o fortalecimento deste sistema.

Ivan atingirá Estados Unidos nesta madrugada

Quarta-feira, 15 de setembro de 2004, 13h00 - O Centro Nacional de Furacões (NHC), localizado em Miami, na Flórida, acaba de divulgar o boletim 52A, dando conta de que o violento furacão Ivan está a apenas 376 km ao sul de Mobile, no Alabama, sobre as coordenadas 27.3 N e 88.0 W. Últimos modelos numéricos de previsão e rastreio mostram que Ivan deve atingir Mobile no início desta madrugada.

Ivan move-se em sentido norte com velocidade de 20 km/h. Seus ventos sustentados são da ordem de 217 km/h com rajadas chegando a 275 km/h. Isso faz de Ivan um poderoso furacão categoria 4 na escala Saffir-Simpson, que vai até 5.

A pressão barométrica aumentou ligeiramente e está agora em 932 hPa.

A defesa civil norte-americana informa que se Ivan atingir Mobile conforme previsto, 12 conjuntos habitacionais no centro da cidade ficarão submersos.

Os governadores dos estados da Flórida, Mississipi, Louisiana e Alabama declararam estado de emergência. Todas as cidades nas áreas costeiras desses estados receberam ordens de evacuação.

Em Nova Orleans, situada abaixo do nível do mar, centenas de bombas de sucção, bem como comportas e barricadas, foram montadas e serão usadas para retirar a água que deverá invadir a cidade.

No Atlântico aberto, a tempestade tropical Jeanne alcança Porto Rico e deve se transformar em furacão nas próximas horas. Autoridades das Bahamas, Haiti e República Dominicana já emitem avisos de furacão. Clique aqui e acompanhe o fortalecimento deste sistema.

Ivan está próximo: 700 mil pessoas saem
às pressas de Nova Orleans

Quarta-feira, 15 de setembro de 2004, 07h00 - Atendendo aos incessantes apelos feitos pelo prefeito da cidade, aproximadamente 700 mil pessoas já deixaram suas casas na cidade de Nova Orleans, na Louisiana.

Nova Orleans fica abaixo do nível do mar, e conforme o furacão Ivan se aproxima, maiores são os riscos da cidade ficar submersa até 6 metros de água.

Segundo o prefeito, existem 22 por cento de probabilidade de Ivan atingir a cidade. "Se as pessoas não saírem da cidade por livre e espontânea vontade, teremos que tirá-las à força" disse ele.

Em sua passagem pelo Caribe, Ivan já matou 70 pessoas, arruinou a economia de Granada, destruindo 90 por cento da cidade. Na ilha Grande Caimã, derrubou postes (foto) e inundou casas com quase dois metros de água. Na Jamaica, matou cinco pessoas e deixou o país sem luz por dois dias.

"Esse não é somente um furacão muito, muito perigoso" disse Max Mayfield, diretor do Centro Nacional de Furacões (NHC). "É também um furacão extremamente grande", continuou.


Em boletim recebido às 06h00, o centro do furacão Ivan se localizava sobre as coordenadas 24.7 N e 87.0 W, ou aproximadamente a 522 km a sul-sudeste do delta do rio Mississipi. Ivan está se deslocando em sentido norte-noroeste com velocidade próxima a 16 km/h.
Aviões caça-furacão informam que a velocidade dos ventos sustentados é de 225 km/h com rajadas atingindo 290 km/h. Isso faz de Ivan um poderoso furacão categoria 4 na escala Saffir-Simpson, que mede a intensidade dos ventos dos furacões e que vai até 5.
A pressão barométrica, também medida por aviões de reconhecimento é de 929 hPa.

De acordo com o diretor do NHC, Ivan deve atingir a costa norte-americana com ventos entre a categoria 3 e categoria 4.

Modelos numéricos de previsão divulgados constantemente indicam que Ivan deve atingir a costa norte-americana na próxima madrugada. Os estados que provavelmente sentirão os efeitos do furacão são a costa oeste da Flórida, Alabama, Mississipi e Louisiana.

Conforme Ivan avança em direção ao continente, as companhias de petróleo da região esvaziaram 60 dos 117 reservatórios instalados na área de risco. O terminal petrolífero de Louisiana, que embarca cerca de 1 milhão de barris de petróleo por dia, suspendeu suas operações. Essa quantidade é 16 por cento do consumo diário de petróleo dos EUA.

No Atlântico aberto, a tempestade tropical Jeanne está próxima à Porto Rico e deve se transformar em furacão nas próximas horas. Autoridades das Bahamas, Haiti e República Dominicana já emitem avisos de furacão. Clique aqui e acompanhe o fortalecimento deste sistema. Ivan se aproxima dos EUA com ventos de 225 km/h

Terça-feira, 14 de setembro 2004, 19h20 - Conforme o violento furacão Ivan se aproxima, moradores da costa norte do Golfo do México começam a deixar suas casas (foto).

No boletim 50, emitido às 18h00 (Hora de Brasília) o Centro Nacional de Furacões (NHC), informou que o olho de Ivan já se encontrava sobre as coordenadas 24.2 N e 86.6 W ou aproximadamente a 594 km ao sul-sudeste do delta do rio Mississipi, dentro do Golfo do México.

Os ventos sustentados da tormenta continuam extremamente violentos, na casa dos 225 km/h com rajadas chegando a 300 km/h. No momento deste boletim Ivan se deslocava em sentido norte-noroeste à velocidade de 14 km/h e sua pressão, medida por aviões de reconhecimento, era de 929 hPa.

Modelos numéricos de previsão indicam que Ivan deve atingir a costa norte-americana na quinta-feira, mas a hora e local ainda são incertos. Projeções indicam a costa oeste da Flórida, Alabama, Mississipi e Louisiana como locais prováveis.

Em Nova Orleans, na Louisiana, o prefeito Ray Nagin declarou estado de emergência e recomendou que os habitantes deixem a cidade imediatamente. Nagin disse que existe 22 por cento de chance de Ivan atingir a cidade e se isso acontecer a cidade pode ser inundada com até 6 metros de água, já que a cidade se localiza abaixo do nível do mar. "Se as pessoas não saírem da cidade por livre e espontânea vontade, teremos que tirá-las à força" disse ele.

A governadora da Louisiana, Kathleen Babineaux Blanco declarou estado de emergência na costa do estado e determinou a evacuação obrigatória de algumas áreas.

Em sua passagem pelo Canal de Yucatan, Ivan fez o governo mexicano suspender a produção de 100 mil barris de petróleo por dia.

Desde que começou sua travessia pelo Caribe, Ivan já matou mais de 60 pessoas e praticamente devastou a ilha de Granada, onde destruiu 90 por cento das casas.

No Atlântico aberto, a depressão tropical número 11 se transformou na tempestade tropical Jeanne e já preocupa autoridades das Bahamas, Porto Rico e Haiti. Clique aqui e acompanhe o fortalecimento deste sistema.

Após causar grande destruição no Caribe,
Furacão Ivan deve atingir EUA na quinta de manhã

Terça-feira, 14 de setembro 2004, 13h20 - Nas últimas horas o furacão Ivan diminui de intensidade e neste momento seus ventos sustentados estão em 225 km/h. Segundo especialistas em tempestades severas, a flutuação de intensidade é comum em furacões de grande porte.

No momento deste boletim, Ivan se encontrava dentro do Golfo do México, sobre as coordenadas 23.4 N e 86.2 W ou aproximadamente a 699 km a sul-sudeste do delta do Rio Mississipi. A velocidade de deslocamento é de 13 km/h em sentido norte-noroeste. A pressão barométrica subiu e está agora em 932 milibares.

Mantendo essas condições, Ivan deve atingir a costa dos EUA na quinta-feira. Os locais de impacto incluem a costa oeste da Flórida, em especial Fort Walton e Destin. Nessa região está instalado o comando da força aérea de Eglin, uma das mais importantes bases aéreas norte-americanas.

Ivan é um poderoso furacão categoria 4 na escala Saffir-Simpson, que vai até 5.

Meteorologistas do Centro Nacional de Furacões (NHC) informam que Ivan pode se deslocar ligeiramente para o oeste. Se isso acontecer, os estados do Alabama e Nova Orleans podem ser atingidos.

Em Nova Orleans (EUA), o prefeito declarou estado de emergência e pediu aos habitantes que deixem a cidade e seus suburbios.


No Atlântico aberto, a depressão tropical número 11 se transformou na tempestade tropical Jeanne e já preocupa autoridades das Bahamas, Porto Rico e Haiti.
Clique aqui e acompanhe o fortalecimento deste sistema.

Ivan castiga Cuba e atravessa
o Canal de Yucatan. Destino: EUA

Terça-feira, 14 de setembro 2004, 07h00 - Às 06h00 (Hora de Brasília), o Centro Nacional de Furacões (NHC) informava, em seu boletim 48, que o extremamente violento furacão Ivan havia ultrapassado o Canal de Yucatan e rumava perigosamente para território norte-americano, dentro do Golfo do México.

Desde 1900, somente 3 furacões categoria 5 atingiram os Estados Unidos. O mais recente, furacão Andrew, atingiu o sul da Flórida em 1992 matando 23 pessoas e causando um prejuízo de 22 bilhões de dólares.

Nas últimas horas, ventos de 260 km/h com rajadas de 312 km/h castigaram violentamente o extremo oeste de Cuba e a região de Porto Juarez, no México.

Em sua passagem pela Jamaica (foto) derrubou árvores, inundou casas e matou 14 pessoas.

Imagens de satélite mostram olho de Ivan já dentro do Golfo do México, sobre a latitude 22.6 N e longitude 86.0 W, aproximadamente a 135 km do Canal de Yucatan e 925 km a sul-sudeste do norte da costa do Golfo do México. Ivan está se movendo a 15 km/h em sentido noroeste.
A velocidade dos ventos sustentados, medidos por aviões caça-furacão, é de 260 km/h com rajadas de 307 km/h. A pressão barométrica é de 912 milibares, uma das mais baixas registradas pelo NHC.

Nos Estados Unidos, o governador da Flórida Jeb Bush alertou a população para que levem a sério todas as possibilidades sobre os locais de impacto. "Isso é um furacão categoria 5. Não é brincadeira. É uma violenta força da natureza", disse ele.


No Atlântico aberto, as atenções estão voltadas para o desenvolvimento da depressão tropical número 11, que deve se transformar em tempestade já nas próximas horas, com grandes possibilidades de se transformar em furacão no final desta semana.
Clique aqui e acompanhe o fortalecimento deste sistema.

Ivan, O Terrível, atinge Cuba com ventos de 260 km/h.

Segunda-feira, 13 de setembro 2004, 19h00 - O furacão Ivan continua com sua fúria sobre o Caribe.
Neste momento, seus ventos, medidos por uma avião caça-furacão em 260 km/h, castigam fortemente o extremo oeste de Cuba, na região de Pinar del Rio.

Imagens de satélite mostram que o olho de Ivan está a 45 km do extremo de Cuba, sobre as coordenadas 21.3 N e 84.9 W. As rajadas de vento chegam a 312 km/h. Seu sentido de deslocamento é para norte-noroeste, com velocidade de 15 km/h. Mantendo esse movimento, o olho de Ivan deve passar sobre o extremo cubano em algumas horas.

Em sua passagem pelo Caribe, Ivan já matou 62 pessoas, destruiu 90 por cento de Granada, causou prejuízos incalculáveis na Jamaica , inundou Grande Caimã com 1.85 metro de água dentro das casas e continua causando destruição. Devido à sua violência, Ivan já é conhecido como "O terrível".
Transmissões de radioamadores, captadas na banda de 20 metros, informam que as pessoas estão sobre os tetos das casas na Grande Caimã.
As ihas Caimãs são conhecidas por sua fama de paraíso tropical, devido às isenções de impostos e sua alta renda per capita, superior a 35 mil dólares anuais.

Nos Estados Unidos, próximo alvo de Ivan, cientistas do Centro Nacional de Furacões (NHC) ainda não podem afirmar onde será o impacto em terra. Modelos numéricos de previsão, conhecidos como data-tracking indicam como possível alvo, a região entre o estado da Flórida e do Alabama, no Golfo do México.
Essa incerteza levou o governo a suspender todos os avisos de evacuação, até que maiores dados permitam tomar uma decisão de grande envergadura.

Enquanto as atenções estão voltadas para Ivan, mais uma tempestade deve se formar no Atlântico norte. Há algumas horas o NHC dava conta da formação da depressão tropical número 11, que deve se transformar em tempestade já nas próximas horas.
Clique aqui e acompanhe o fortalecimento deste sistema

Na costa oeste da América do Norte, o furacão Javier deve se deslocar para alto-mar, próximo à Baixa Califórnia.
Clique aqui para ver o data-tracking desta tempestade

Ivan, categoria 5, chega ao Canal de Yucatan
e deve atingir Cuba, México e EUA

Domingo, 13 de setembro 2004, 07h00 - Avisos de furacão se extendem por toda a região da Península de Yucatan e Golfo do México.

No dia de ontem Ivan passou sobre as ilhas Caimãs deixando um rastro de destruiçao. Relatos de radioamadores operando em Grande Caimã informam que as pessoas estão sobre os telhados de suas casas, esperando que a água baixe de nível. Alguns informes dizem que a água subiu 1.85 metros dentro das residências.

A Jamaica (foto acima) também foi violentamente castigada. 17 pessoas morreram e 80 por cento do país ainda não tem luz elétrica.

Ivan deve atingir o extremo oeste de Cuba nas próximas horas e continuar rumando, dentro do Golfo do México, em direção ao extremo oeste da Flórida.

No momento deste boletim, o Centro Nacional de Furacões (NHC) informava que Ivan localizava-se sobre as coordenadas 20.2 N e 83.9 W ou aproximadamente a 195 km a sul-sudeste do extremo oeste de Cuba. Seu sentido de deslocamento é para oeste-noroeste, com velocidade de 15 km/h.
Seus ventos sustentados atingem 260 km/h com rajadas que chegam a 312 km/h. Isso faz de Ivan um poderoso furacão categoria 5.

Após recordes de queda, a pressão baromérica subiu ligeirament e está agora em 920 milibares.

Na costa oeste da América do Norte, a tempestade tropical Javier intensificou-se e transformou-se em furacão, devendo atingir a costa mexicana esta semana.
Clique aqui para ver o data-tracking desta tempestade

Com ventos de 250 km/h, Ivan atinge Grande Caimã e ruma agora para Cuba

Domingo, 12 de setembro 2004, 20h00 - O ímpeto destrutivo do furacão Ivan parece não diminuir. Após causar danos incalculáveis em sua passagem pelo Caribe, Ivan ruma agora para o oeste de Cuba, onde a população, apreensiva com chegada do furacão, faz imensas filas para conseguir suprimentos. (foto)

Nas últimas 24 horas Ivan atingiu a Jamaica e a ilha Grande Caimã e desde que começou sua travessia de leste para oeste sobre o mar caribenho, já causou a morte de 47 pessoas. Quando passou sobre Granada, destruiu 90 por cento dos prédios e fez o país pedir ajuda internacional para reconstrução.

Informações transmitidas de Grande Caimã por um radio-amador, davam conta que a ilha estava compeltamente às escuras.

Às 20h00, o Centro Nacional de Furacões, localizado em Miami, informava que o olho do furacão Ivan localizava-se sobre as coordenadas 19.3 N e 82.5 W, ou a 264 quilômetros ao sudeste do oeste de Cuba. Sua velocidade de deslocamento era de 17km/h em sentido oeste-noroeste e um desvio para noroeste era previsto para esta noite ou durante a madrugada. Se mantiver esse curso, o centro do furacão deve passar sobre o oeste de Cuba na tarde de segunda-feira.

Segundo cientistas do NHC, os ventos sustentados do furacão eram de 240 km/h mas podiam se intensificar nas próximas horas, fazendo Ivan novamente um furacão categoria 5, a mais alta na escala Saffir-Simpson, que vai até 5.
A pressão baromérica é novamente recorde da temporada, chegando a somente 912 milbares.

Na costa oeste da América do Norte, a tempestade tropical Javier intensificou-se e transformou-se em furacão, devendo atingir a costa mexicana esta semana.
Clique aqui para ver o data-tracking desta tempestade

A fúria de Ivan chega às ilhas Caimãs

Domingo, 12 de setembro 2004, 11h00 - Após castigar severamente a Jamaica nas últimas horas, o furacão Ivan, ruma agora para as Ilhas Caimãs, onde deve chegar nas próximas horas.

Estima-se que as tempestades causadas pela passagem do furacão precipitem um volume pluviométrico de até 300 milímetros sobre a ilha de 45 mil habitantes.

No momento deste boletim os ventos sustentados de Ivan eram de 250 km/h com rajadas chegando a 307 km/h. Essa velocidade coloca Ivan no limiar da categoria 5 da escala Saffir-Simpson.
Sua posição era sobre as coordenadas 18.8 N e 81.2 W, ou aproximadamente a 55 km ao sul da ilha Grande Caimã.

O Centro Nacional de Furacões registrava uma pressão barométrica extremamente baixa, de somente 919 milibares.
Esta pressão muito baixa provoca surtos de tempestade de até 5 metros acima do nível normal.
"Surto de tempestade" é a elevação instável da água do mar, que é sugada para cima pela baixa pressão causada pela passagem do furacão.

Autoridades das ilhas Caimãs também estão em alerta máximo, já que Ivan deverá atingir a ilha caribenha com força máxima.


Ontem a Jamaica (foto acima) foi pesadamente castigada com ventos sustentados oscilando entre 230 e 249 km/h. As rajadas chegaram a 308 km/h.

No momento, as informacões são muito desencontradas mas estima-se pesados prejuízos à economia da ilha, de 2.7 milhões de habitantes.

Na Flórida, equipes da defesa civil (FEMA) começam a evacuar diversas cidades. Ivan é terceiro furacão a atingir o estado em menos de 1 mês.


Na costa oeste da América do Norte, uma nova tempestade tropical, batizada de Javier, deve se transformar em furacão nos próximos dias e atingir a região de Colima e Guadalajara, no México.
Clique aqui e veja o data-tracking desta tempestade

Há 10 horas, Jamaica é castigada pelo furacão Ivan

Sábado, 11 de setembro 2004, 16h00 - A Jamaica está sentindo toda a fúria implacável de um furacão categoria 4. Há mais de 10 horas, ventos oscilando entre 230 e 249 km/h, castigam toda a ilha. As rajadas chegaram a 308 km/h
São muito difíceis as comunicações com o país, já que a ilha está praticamente sem energia elétrica.

A Jamaica tem uma populaçao de 2.7 milhões de pessoas.

Em seu boletim das 15h00 (Hora de Brasília) o Centro Nacional de Furacões informava que o olho da tempestade localizava-se sobre a latitude 18.0 N e 79.0 W, ou aproximadamente a 70 km a oeste-sudoeste da costa jamaicana. Imagens de satélite também mostram que o centro do furacão já passou pela ilha.

No último boletim divulgado, a velocidade informada dos ventos sustentados era de 230 km/h, com rajadas chegando a 285 km/h. A pressão barométrica também havia caído ainda mais, para 920 hPa, o mais baixo índice da temporada 2004 e um dos menores já registrados pelo NHC.

Segundo cientistas norte-americanos, Ivan ainda pode voltar à categoria 5, com ventos superiores a 250 km/h.

Autoridades das ilhas Caimãs também estão em alerta máximo, já que Ivan deverá atingir a ilha caribenha nas próximas horas.

Na Flórida, equipes da defesa civil (FEMA) começam a evacuar diversas cidades. Ivan é terceiro furacão a atingir o estado em menos de 1 mês.


Na costa oeste da América do Norte, uma nova tempestade tropical, batizada de Javier, deve se transformar em furacão nos próximos dias e atingir a região de Colima e Guadalajara, no México.
Clique aqui e veja o data-tracking desta tempestade

Com ventos de 249 km/h, furacão Ivan atinge a Jamaica

Sábado, 11 de setembro 2004, 07h00 - Aproximadamente 500 mil jamaicanos conseguiram evacuar as partes baixas da ilha rumaram para as partes mais elevadas, onde os efeitos do furacão Ivan deverão ser menos devastadores. O primeiro ministro da Jamaica, P.J. Patterson , declarou que o país deve passar por um "difícil período de emergência pública".

No último boletim divulgado às 07h00 da manhã deste sábado, o Centro Nacional de Furacões (NHC), localizado em Miami, dava conta de que o olho de Ivan estava localizado sobre a latitude 17.5 N e 78.0 W. Esta posição é exatamente o sul da Jamaica, ou aproximadamente a 110 km da baia de Montego.

Segundo o NHC, os ventos da tempestade estão em 249 km/h com rajadas intensas, que chegam a 290 km/h. A pressão barométrica, medida às 05h00 (BRT) por aviões de reconhecimento, era de 923 hPa, o mais baixo valor registrado na temporada de 2004, e um dos mais baixos já medidos pelo instituto.
Segundo o diretor do NHC, Max Mayfield, Ivan tem potencial de chegar à categoria 5, o máximo da escala.

Em Cuba, moradores já se preparam para a chegada do furacão. O presidente Fidel Castro disse em pronunciamento à televisão estatal cubana que "precisamos nos esforçar antes da chegada do furacão. Precisamos trabalhar juntos" e completou: " Não vamos aceitar ajuda de países que impõe sanções econômicas ao nosso país. Abaixo a hipocrisia de oferecer ajuda à Cuba".

Na Flórida, que deverá receber o impacto de Ivan no começo desta semana, muitos moradores e comerciantes estão colocando suas casas à venda, como o comerciante da foto acima, que após ver seus negócios despencarem depois da passagem de dois furacões nos últimos dias, colocou à venda sua pousada, na cidade de Daytona Beach.

Fortes ventos já são sentidos na Jamaica

Sexta-feira, 10 de setembro 2004, 19h00 - Estações meteorológicas instaladas na costa jamaicana informam que ventos com intensidade de tempestade tropical já atingem a ilha neste começo de noite. Uma das estações informa que os ventos estão ao redor de 75 km/h. Neste momento, o olho do furacão Ivan está a somente 130 km ao sul-sudeste de Kingston, sobre as coordenadas 17 N e 76.2 W.

Jamaica, apreensiva, se prepara para receber o furacão Ivan

Sexta-feira, 10 de setembro 2004, 06h30 - Autoridades Jamaicanas preparam um plano ousado para as próximas horas. A defesa civil tem a difícil tarefa de remover mais de 500 mil pessoas das áreas mais baixas da ilha, que em menos de 24 horas deve receber o impacto direto de um furacão categoria 4, com ventos de 230 km/h.

Nas últimas 24 horas Ivan diminui ligeiramente de intensidade e agora seus ventos sustentados estão em 230 km/h com rajadas chegando a 285 km/h. Segundo cientistas norte-americanos, especializados em tempestades severas, flutuações na intensidade dos ventos são comuns nos furacões, e alertam que Ivan ainda pode ganhar força e atingir novamente a categoria 5, o máximo da escala.

No momento deste boletim, o centro da tempestade estava localizado a 405 km a sudeste de Kingston, na Jamaica, sobre as coordenadas 15.7 N e 73.8 W. A velocidade de deslocamento era de 20 km/h. Mantendo esta velocidade, Ivan atingirá a ilha esta noite.
Nas últimas horas a pressão barométrica no olho do furacão havia subido ligeiramente, estando agora em 930 hPa.

O governo jamaicano pede calma à população, que tem se deparado com falta de alimentos e água, praticamente esgotados nas últimas horas. Na foto acima, um morador de Kingston, capital jamaicana, se prepara, fazendo compras em supermercado de prateleiras vazias, da capital do país.

Em Granada número de mortos sobe para 17
Enquanto isso, em Granada, a população tenta reconstruir suas casas.

90 por cento da cidade está destruída e o primeiro ministro Keith Mitchell pediu ajuda internacional para a reconstrução do país.

Segunda a defesa civil de Granada, 20 pessoas morreram e esse número deve aumentar ainda mais.

A agência Associated Press informou nesta manhã que quatro pessoas morreram na República Dominicana, quatro na Venezuela e uma na ilha de Tobago.

Na foto, barcos no porto de St. George que foram completamente destruídos durante a passagem de Ivan.

Furacão Ivan alcança categoria 5 e coloca
em alerta máximo autoridades caribenhas

Quinta-feira, 9 de setembro 2004, 06h30 - Durante a madrugada o furacão Ivan tornou-se um devastador furacão de categoria 5 na escala Saffir-Simpson. Segundo dados do Centro Nacional de Furacões - NHC - os ventos sustentados da tempestade estão agora em 255 km/h com rajadas atingindo a impressionante marca de 307 km/h.

Modelos numéricos de previsão e rastreio, conhecidos como "data-tracking" e mostrado ao lado, indicam que o devastador furacão deve atingir em cheio o Haiti, ilhas Caimãs e quase todo o território de Cuba. Segundo esse mesmo modelo, Ivan deve atingir o sul da Flórida na segunda-feira.

No momento deste boletim, o olho de Ivan localizava-se sobre a latitude 13.7 N e longitude 69.5 W, ou aproximadamente a 135 km a noroeste de Aruba, ao norte do Golfo da Venezuela ou a 915 km a este-sudeste de Kingston, capital da Jamaica, que será atingida nesta sexta-feira.
Imagens de satélite mostram que o olho do furacão está muito bem definido. Veja

O sentido de deslocamento não mudou nas últimas 12 horas e continua rumando em sentido oeste-noroeste a 28 km/h. A pressão barométrica baixou para somente 925 milibares, o mais baixo índice ddesde que começo a temporada de furacões de 2004.

A foto acima mostra o estrago que o furacão Ivan fez em uma casa no vilarejo de Kingstown, na ilha de St. Vincent.

Em Granada, o número de mortos já chega a 12. Esse foi o maior furacão a atingir a ilha nos últimos 10 anos. 90 por cento das casas foram destruídas, incluindo a prisão local de onde todos os presos fugiram. "Se você ver o país hoje, ficará surpreso que o número de mortos não tenha sido ainda maior. O país está devastado", disse o chefe de polícia de Granada, comissário Roy Bedaau , à rádio Voz de Barbados.

Furacão Ivan fica ainda mais forte,
com ventos de 215 km/h

Quarta-feira, 8 de setembro 2004, 06h30 - Nas últimas 24 horas os ventos sustentados do furacão Ivan tornaram-se ainda mais fortes. Segundo dados de aviões caça-furacões, a velocidade aumentou para 215 km/h com rajadas atingindo até 270 km. Isso faz de Ivan um furacão extremamente violento, de categoria 4 na escala Saffir-Simpson.

A foto acima mostra ondas de 4 metros, causadas pela passagem de Ivan pela ilha de Trinidad, na terça-feira.

Cientistas norte-americanos, especializados em tempestades severas, acreditam que Ivan tem potencial de alcançar a categoria 5. Para isso acontecer, os ventos deverão alcançar a impressionante velocidade de 250 km/h.

Modelos numéricos de rastreio e previsão, conhecidos como "data-tracking", mostram um desvio na trajeória do furacão. Pelos dados mostrados, Ivan deverá passar por cima da Jamaica nesta sexta-feira à noite. Antes deverá causar pesadas chuvas no extremo oeste do Haiti.
No curso do furacão também estão Cuba, em especial a capital Havana e novamenete a costa da Flórida, desta vez o lado oeste, próximo ao Golfo do México.

No momento deste boletim o olho do furacão localizava-se sobre as coordenadas 12.3 N e 64.1 W, 450 km a leste da ilha Bonaire. Seu deslocamento se dá em sentido oeste a uma velocidade de 28 km/h. A pressão barométrica é de 946 hPa.


3 mortes em Granada
Segundo a Defesa Civil de Granada, três pessoas morreram durante a passagem do furacão Ivan. Ainda segundo a defesa civil daquele país, sua capital St. Geoge foi praticamente devastada. A casa do primeiro ministro, Keith Mitchell, foi arrancada do lugar pelos intensos ventos.

Granada tem uma população de 90 mil pessoas e é a ilha mais ao sul das Ilhas Windward, ligeiramente acima de Trinidad e Tobago.

"Granada sentiu a fúria de um furacão categoria 3" disse Chris Hennon, meteorologista do Centro Nacional de Furacões. "A face norte do olho do furacão passou sobre a ilha. Justamente a face mais devastadora."

Ventos do Furacão Ivan chegam a 185 km/h e alcaçam Tobago

terça-feira, 7 de setembro 2004, 13h30 - Em aviso público emitido às 13h00 (Hora de Brasília), o Centro Nacional de Furacões - NHC- dava conta de que o furacão Ivan havia novamente aumentado de intensidade e alcançado as Ilhas Windward, próximo à Tobago, enquanto estações meteorológicas instaladadas em Barbados mediam ventos de 146 km/h.

Ivan continua rumando para o Caribe com ventos muito fortes. Governos locais estão de sobre alerta, já que furacões de grande intensidade costumam causar prejuízos incalculáveis em países caribenhos.

A intensidade dos ventos de Ivan, segundo cientistas Norte-americanos, é de 185 km/h e um fortalecimento desse sistema está previsto para as próximas horas. No momento, Ivan é um perigoso furacão categoria 3.

No momento deste boletim Ivan seguia em direção oeste a uma velocidade de 30 km/h. O olho do furacão localizava-se sobre as coordenadas 11.8 N e 60.2 W, ou a 75 km a nordeste de Tobago, no leste do mar do Caribe. A pressão barométrica é de 963 milibares.

FuracãO Ivan continua forte e ruma para Martinica

Segunda-feira, 6 de setembro 2004, 19h00 - Apesar de ter perdido seu status de categoria 4, que manteve por algumas horas, o furacão Ivan continua muito forte e perigoso.

No boletim das 18h00 (Hora de Brasília), o NHC - centro Nacional de Furacões, localizado em Miami, informava que os ventos sustentados de Ivan estão agora em 185 km/h com rajadas alcançando 220 km/h.
Isso faz de Ivan um poderoso furacão categoria 3 na escala Saffir-Simpson, que vai até 5. Para voltar à categoria 4, seus ventos sustentados precisam alcançar 210 km/h.

Modelos numéricos de previsão, divulgados constantemente pelo instituto norte-americano, mostram que Ivan deverá atingir a pequena ilha de Martinica na manhã desta terça-feira. O governo frances também emitiu aviso de furacão ao habitantes da região.

Se mativer o curso e a intensidade prevista pelos meteorologistas, Ivan deverá causar grandes prejuízos em diversas ilhas caribenhas, entre elas Barbados, Dominica, Martinica, Porto Rico, Cuba, Haiti e República Dominicana.

No último boletim, Ivan localizava-se sobre a latitude 11.4 N e 54.4 W, aproximadamente a 580 km a leste-sudeste de Barbados, no Caribe, e a pressão barométrica era de 969 hPa.

No estado a Flórida, a passagem do furacão Frances deixou um saldo de 5 mortos e um prejuízo estimado em 10 bilhões de dólares. Leia mais

Tempestade Ivan já é furacão categoria 3
e ruma para o Caribe

Segunda-feira, 6 de setembro 2004, 07h06 - O centro Nacional de Furacões - NHC- informa que os ventos sustentados do furacão Ivan estão agora em 205 km/h. Isso faz de Ivan um poderso furacão categoria 3, no limiar da categoria 4.

Neste momento, Ivan localiza-se próximo à latitude 10.8 N e longitude 51.6 W, ou aproximadamente a 890 a leste-sudeste de Barbados.
Seu sentido de deslocamento é para oeste e move-se a uma velocidade de 37 km/h.

Modelos de previsão indicam que Ivan deve atingir diversas ilhas caribenhas, em especial o Haiti, Cuba, Barbados, Santa Lúcia e Repúplic Dominicana. Novamente as Bahamas e a Flórida podem ser alvos de um novo furacão.

Tempestade Ivan deve virar furacão neste domingo

Sábado, 4 de setembro 2004, 18h39 - Às 18h00 BRT o Centro Nacional de Furacões, NHC, localizado em Miami, emitiu aviso dando conta de que a tempestade tropical Ivan está aumentando gradativamente de intensidade e segundo os modelos de previsão, neste domingo deve atingir a categoria de furacão.

Segundo o NHC, no momento deste boletim os ventos sustentados de Ivan atingem 95 km/h com rajadas chegando a 128 km/h. Para chegar a categoria de furacão, os ventos devem chegar a 119 km/ e sustentarem esta velocidade mínima durante 1 minuto, daí a expressão "ventos sustentados".

Ivan localiza-se neste momento sobre as coordenadas 9.1 N e 40.8 W, ou aproximadamente a 2335 km a leste-sudeste das Antilhas, no Atlântico Norte. Seu sentido de deslocamento é em direçao ao oeste com velocidade de 32 km/h, devendo continuar assim durante as próximas 24 horas. A pressão barométrica, medida por aviões caça-furacão é de 994 hPa.




  Tempestade
Ivan

Satélite
atualizado


Escala
Saffir-Simpson


Temporada de
Furacões 2004


Tempestade
Jeanne


Furacão
Ivan


Furacão
Frances


Furacão
Charley


Furacão
Alex





IMAGENS DE SATÉLITES !    Clique e conheça nosso Vídeo Workshop de sensoriamento remoto e imagens meteorológicas.
Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2001 - 2021
Política de Privacidade

"Entre os móveis de nossas casas, ocupa a cama um lugar extraordinário. É o móvel metafísico em que se realizam os mistérios do nascimento e da morte" - Thomas Mann