Mapas e imagens de satélite sobrepostos




Ruínas de Angkor, Camboja
Imagem de Satélite - Ruínas de Angkor, Camboja
Clique aqui e veja a imagem em alta-resolução

Capital do Camboja do século IX ao século XV, Angkor foi construída em torno de um templo localizado num monte, simbolizando a montanha que fica no centro do mundo, na cosmologia hindu. Posteriormente, reis ampliaram a cidade, construindo outros templos devotados a divindades hindus. As ruínas de Angkor são hoje um dos maiores monumentos arquitetônicos do mundo.

O maior dos templos de Angkor é o Angkor Wat, construído no século XII, sob o reinado de Suryavarman II, para celebrá-lo como encarnação do deus Vishnu. Mais tarde, este templo se tornou a tumba do rei. Um retângulo imenso medindo cerca de 850 metros por 1.000 metros (aproximadamente 2.790 pés por 3.300 pés), Angkor Wat é o maior templo do mundo, com uma altura de 60 metros (200 pés). É todo feito de pedra, com entalhes mostrando cenas da tradição hindu.

Nesta imagem, feita pelo satélite de sensoriamento remoto TERRA, no dia 17 de fevereiro de 2004, o Angkor Wat é claramente visível como o pequeno quadrado negro no centro da imagem. À sua esquerda, a oeste, encontra-se o grande reservatório de Baray, contruído no século XI.

No século XIII, Angkor abrangia cerca de 100 km² (aproximadamente 39 mi²) e era uma das maiores cidades do mundo. Ameaçados por ataques dos vizinhos thais, os cambojanos deixaram Angkor por volta de 1430, mudando sua capital para o sul, em busca de maior segurança. Durante algum tempo, Angkor Wat sobreviveu como um centro de peregrinação budista, mas o resto da cidade foi coberta pela selva, até que arqueólogos franceses começaram a escavar o local na década de 1860. Em 1987, teve início um projeto de restauração.

Mar Morto entre Israel e Jordânia

Surabaya, Indonésia

Bruxelas, Bélgica



Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2018
Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento   |  -   Entre em Contato

"A avareza e a cobiça do poder não são paixões - são medo." - Carl Ehrensvard