Apolo11.com - Imagens de satélite, tecnologia e fenômenos naturais



Magma continua saindo da cratera e novo domo se forma no lado oeste

Quinta-feira, 14 de outubro de 2004, 07h15 - Observações visuais e imagens térmicas, feitas no dia de ontem, mostram que a deformação em forma de bolha no lado sul da montanha continua a aumentar e um novo lóbulo de lava se formou na face oeste da montanha.

Temperaturas de mais de 700 graus Celsius foram medidas ao redor do novo lóbulo, que desde sua formação inicial, vem crescendo lentamente. As cinzas formadas neste lóbulo se elevam a dezenas de metros e podem ser vistas a longa distância da montanha.

Abundantes quantidades de cinza continuam sendo lançadas ao ar, provenientes da extrusão de lava que ocorre na borda cratera. Os fortes ventos que sopram na região permitem a dispersão das cinzas, que são sopradas em direção sudoeste.

Segundo os cientistas do USGS - Instituto de Pesquisas Geológicas dos EUA, o magma, provavelmente muito raso, continua a sair, em pequenas quantidades e formando um novo domo de lava. A incandescência da rocha derretida (magma) pode ser vista intermitentemente do lado norte da montanha (foto acima) e também, quando as condições da atmosfera permitem, de outros pontos de vista.

Mesmo com toda essas agitação vulcânica, ocorrida principalmente nos últimos dias, os cientistas não elevaram o nível de alerta, que permanece em nível 2, indicando estado de atenção.

Hoje as equipes de terra farão novos experimentos, incluindo um vôo para colher amostras de gás e download dos dados de GPS que foram instalados ontem. Também estão previstas coletas de amostras de água e medição da temperatura das cinzas que saem da cratera.


Histórico

incandescência já pode ser vista a quilômetros de distância da montanha

Quarta-feira, 13 de outubro de 2004, 15h25 - Em seu último boletim, divulgado às 11h00 (Hora de Brasília), o Instituto de Pesquisas Geológicas dos EUA (USGS), informou que durante esta madrugada, a atividade sísmica, mesmo que ainda em nível baixo, aumentou substancialmente. Observações visuais e imagens térmicas do domo de lava, formado nas erupções de 1980 e 1986, estão prejudicadas devido a abundante quantidade de cinzas que continua sendo expelida pela cratera.

As condições presentes hoje não parecem ser diferentes daquelas observadas na última segunda-feira (11), quando a temperatura medida em uma pequena extrusão de lava, ocorrida no lado oeste da montanha, era de aproximadamente 600 graus Celsius.

Ontem, um novo arranjo de instrumentos foi baixado dentro da cratera por um helicóptero. Esse arranjo contém instrumentos de telemetria, entre eles um sismômetro, GPS e inclinômetros, e também outro microfone. Esses instrumentos juntos vão proporcionar a aquisição de dados críticos de movimentação, que não podem ser detectados pelas estações localizadas mais longe.

A incandescência provocada pelos gases e rocha quente já pode ser vista do lado norte do monte Santa Helena, refletida na nuvem de cinzas.

Como resultado dessas últimas duas semanas de atividades, aliadas às recentes observações, os vulcanologistas do USGS acreditam que o magma está muito próximo à superfície, como prova a pequena extrusão ocorrida no dia 11.

Nível de alerta é reduzido, mas cientistas dizem que magma está próximo

Quinta-feira, 7 de outubro de 2004, 07h00 - Cientistas do USGS, Instituto de Pesquisas Geológicas dos EUA, informaram, em boletim divulgado às 22h00 (hora de Brasília), que permanece baixo o nível de sismicidade do vulcão Santa Helena. No entanto houve um ligeiro aumento desde a última grande emissão de cinzas e fumaça ocorrida na última de terça-feira.

Na noite de ontem o nível de alerta de erupção foi reduzido para 2.

No momento do boletim divulgado, os terremotos no interior do vulcão aconteciam à razão de um por minuto, com intensidade não ultrapassando 1 grau na escala Richter.

Nenhuma observação térmica foi possível nas últimas horas devido à chuva e névoa que praticamente dominaram o cenário ao redor do monte. Pequenas emissões de fumaça foram observadas pelos pesquisadores. Segundo os cientistas, devido ao grande nível de atividade ocorrida nos últimos 10 dias, a lava deve estar muito próxima da superfície e devido às variações na movimentação do magma, novos episódios deverão ocorrer nos próximos dias.

Previsões de vento combinadas a modelos numéricos de erupção mostram que estes permanecerão no sentido oeste e nenhuma cinza deverá ser conduzida para leste ou nordeste.

Webcâmera mostra erupção de cinzas e fumaça do Santa Helena

Quarta, 6 de outubro de 2004, 07h05 - Na manhã de ontem, às 09h00 (13h00 Hora de Brasília), o Monte Santa Helena, localizado no estado de Washington, costa noroeste norte-americana, voltou a liberar cinzas e fumaça, desta vez a maior quantidade desde que as atividades começaram.

O vulcanologista Jake Lowenstern, do Instituto Norte-americano de Pesquisas Geológicas (USGS) disse que rapidamente a coluna de fumaça alcançou a altura de 2.700 metros.
Devido à grande quantidade de cinzas expelidas, o radar Doppler do Serviço Meteorológico Nacional (NWS), também pode detectá-las.

Webcâmeras, localizadas a 8 km de distância e que você também pode acompanhar ao vivo, registraram o evento (foto acima).

Segundo o USGS, os tremores diminuíram durante o evento e acreditam que o magma esteja muito raso e pode vir à tona através dos pontos que estão se deformando. As condições também sugerem um aumento das erupções de grande magnitude e ricas em cinzas durante os próximos dias.

Os resultados das medidas feitas por GPS e imagens térmicas ainda não foram informados.

O nível de alerta para o Monte Santa Helena permanece em 3, significando que o vulcão podem entrar em erupção a qualquer momento.

Erupções de cinzas e fumaça põe cientistas em alerta no Monte Santa Helena

Terça-feira, 4 de outubro de 2004, 07h05 - Durante as últimas horas diversos eventos têm ocorrido no vulcão Santa Helena, na costa noroeste dos Estados Unidos.

Durante a manhã de ontem, durante 40 minutos, o vulcão expeliu cinzas e fumaça, que podiam ser vistas a quilômetros de distância (foto). Seguidas erupções menores seguiram este evento.

Ao contrário da erupção de fumaça de sexta-feira, que não continha cinzas e os pequenos terremotos cessavam logo após os eventos, a erupção de ontem não fez cessar os tremores. Segundo cientistas do USGS, Instituto de Pesquisas Geológicas dos Estados Unidos, esses terremotos de ontem indicam liberação de energia sísmica e movimentação de magma.

Geólogos do USGS informaram ontem que o domo de lava na parte interior do vulcão está agora se deformando e crescendo fortemente. Ao redor do domo existe a geleira da montanha, contendo aproximadamente 80 milhões de metros cúbicos de água e gelo.

Também foram detectadas concentrações crescentes de dióxido de carbono e sulfeto de hidrogênio, que mostram que o magma fresco está subindo.

O último tremor harmônico detectado foi no domingo, com 90 minutos de duração. Esses tremores são contínuos e rítmicos, e sempre antecedem e acompanham uma erupção. Isso fez os cientistas emitiram aviso de nível 3, o mais alto antes de uma erupção.

Ontem uma área de 16 km ao redor da montanha foi evacuada e os turistas estão sendo mantidos longe do Monumento Nacional Vulcânico do Monte Santa Helena, um gigantesco parque turístico ao redor da montanha.

Clique ao lado e acompanhe as atividades sísmicas da montanha, juntamente com as imagens fornecidas por uma webcam, instalada a 8 km de distância da montanha.

A espera continua no Monte Santa Helena, que pode entrar em erupção

Segunda-feira, 3 de outubro de 2004, 14h50 - Durante a madrugada, os cientistas que monitoram os eventos do vulcão Santa Helena informaram que a atividade sísmica continuava a aumentar, até que às 22h40 (02h40 Hora de Brasília), um evento com fumaça e possivelmente cinzas foi observado. Neste momento a sismicidade diminui substancialmente, até aos níveis da semana passada.

No último boletim divulgado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Geológicas, USGS, às 11h00 de Brasília, os tremores dentro do monte Santa Helena estavam ocorrendo a uma razão de 1 por minuto, com magnitude de 2 graus Richter.

Medidas feitas por GPS não mostram mudanças significativas de deformação dos flancos externos do vulcão, mas observações visuais e fotográficas mostram uma elevação de até 10 metros próxima ao domo de lava.

Ontem, um grupo de campo instalou um novo GPS no domo do vulcão e mediram sua distância até o observatório de Johnston Ridge. Um balão sonda também detectou dióxido de carbono e baixos níveis de sulfeto de hidrogênio.

Para detectar pequenas explosões, dois microfones também foram instalados próximos à cratera. O Observatório Vulcanológico do Havaí cedeu uma câmera operada por controle remoto, que será instalada ainda hoje, juntamente com mais dois sismômetros.

A preocupação maior dos vulcanologistas, e que levou o USGS a emitir o alerta nível 3, de erupção iminente, é o aparecimento de um sinal característico, chamado tremor harmônico, nos registros sismográficos. Esse sinal, em forma quase sempre senoidal, indica que o magma está em movimento e sempre precede ou acompanha uma erupção. No sábado, um tremor harmônico de 50 minutos de duração foi registrado pelos instrumentos.

A foto acima mostra o monte Santa Helena na manhã do último domingo.

Vulcão Santa Helena, pode entrar em erupção nas próximas horas

Domingo, 3 de outubro de 2004, 18h00 - O Instituto Nacional de Pesquisas Geológicas dos EUA, USGS, em último boletim emitido na tarde deste domingo, manteve em Nível 3 o alerta para o monte Santa Helena, significando que o vulcão pode entrar em erupção a qualquer momento.

No boletim divulgado, geologistas do USGS informam que um novo tremor de 25 minutos de duração foi registrado pelos sismógrafos que monitoram o vulcão, mas nenhuma pluma foi detectada como resultado deste tremor. Depois deste tremor a atividade sísmica voltou aos níveis anteriormente registrados.

Terremotos estão ocorrendo a uma razão de 1 a 2 por minuto, com o maior deles atingindo 3.0 graus na escala Richter. Durante o dia de ontem aumentaram o número de fumarolas no domo de lava e também foram detectados sinais de dióxido de carbono. Cientistas também informaram que a cratera estava exalando forte cheiro de sulfeto de hidrogênio, similar ao cheiro de ovo podre. Dados de GPS colhidos e analisados na manhã de hoje indicam que ainda não houve mudanças significativas de deformação e inclinação dos flancos do vulcão.

A partir da emissão do alerta de nível 3, o observatório, localizado a 4 km de distância do vulcão, foi evacuado. Em 1980 o Monte Santa Helena entrou em erupção, matando 72 pessoas.


Vulcão Santa Helena pode entrar em erupção a qualquer momento

Domingo, 3 de outubro de 2004, 08h00 Em boletim divulgado na tarde de sábado, o Instituto Nacional de Pesquisas Geológicas dos EUA, USGS, emitiu alerta de nível 3 para o Monte Santa Helena. Esse nível de alerta indica que o vulcão, localizado no estado de Washington, na costa oeste do país, pode entrar em erupção nas próximas 24 horas.

Cientistas que monitoram o vulcão informaram que detectaram, nos registros sismográficos, a presença de um sinal harmônico característico, mostrando que havia movimentação e compressão de magma no interior da montanha.

Durante uma semana de intensa atividade sísmica, uma pequena explosão ocorreu na última sexta-feira (foto acima), deformando o domo de lava e liberando uma coluna de fumaça que se ergueu a mais de 3500 metros de altura.

Sismógrafos
ao vivo

WEBCAM
ao vivo

GALERIA
2 GPS's portáteis antes da instalação na montanha


Coletor de cinzas instalado na borda do vulcão


Cientista instala coletor de cinzas. Ao fundo o Monte Adams


Pôr-do-sol na cratera do Santa Helena com o Monte Adams ao fundo


Pesquisador do USGS efetua medidas no Observatório Johnston Ridge



IMAGENS DE SATÉLITES !    Clique e conheça nosso Vídeo Workshop de sensoriamento remoto e imagens meteorológicas.
Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2001 - 2020
Política de Privacidade

"Nada contribui mais para a paz de espírito, como não ter opinião sobre coisa alguma" - Georg Lichtenberg