Imagens de satélites e sensoriamento remoto

PLANETA-ANÃO PLUTÃO

  • Rotação: 6.4 dias
  • Translação: 248 anos
  • Diâmetro: 2274 km
  • Temperatura: -200 C
  • Gravidade: 0.4 m/s^2
  • Luas: 3 - Caronte, Hidra e Nyx
  • Composição da atmosfera: metano, enxofre e Nitrogênio

    Plutão

    Até Agosto de 2006 o Sistema Solar contava com nove planetas, mas uma mudança feita pela União Astronómica Internacional alterou a definição oficial do termo planeta e Plutão foi rebaixado à categoria dos planetas-anões ou planetóides.

    Plutão tem aproximadamente 1/5 da Terra e dá uma volta ao redor do Sol a cada 248 anos e desse tempo, passa 228 anos além da órbita de Netuno.

    A exemplo de Netuno, Plutão também foi descoberto matematicamente devido às pequenas perturbações observadas nas órbitas de Urano e Netuno.

    Percival Lowell, astrônomo norte-americano, foi um de seus principais estudiosos, mas a primeira imagem fotográfica de Plutão foi feita somente em 8 de fevereiro de 1930, doze anos após sua morte, por outro norte-americano, o astrônomo Clyde Tombaugh, que na época tinha 24 anos.

    Foi somente a partir de 1970 que os astrônomos obtiveram mais dados sobre a superfície desse planeta, onde foi detectada a presença de metano congelado a uma temperatura de -210°C e uma fina camada atmosférica supostamente de metano gasoso.


    Luas de Plutão
    Plutão e suas luas Plutão tem três satélites naturais, o maior deles descoberto em 22 de Junho de 1978 por James Walter Christy e batizado de Caronte.

    Uma série de imagens mostraram que sua translação é de cerca de 6.39 dias, que parece coincidir com a rotação do planeta. Caso estes dados se confirmem, a coincidência entre a translação de Caronte e o movimento de rotação de Plutão seria única no sistema solar. Neste caso, como um satélite geoestacionário, Caronte nunca nasce ou se põe, mantendo sempre a mesma posição no céu de Plutão.

    Além de Caronte, Plutão também conta com outros dois satélites - Nyx e Hidra - descobertos em maio de 2005 pelo telescópio espacial Hubble. Apesar de não haver medidas diretas, estima-se que ambos os satélites tenham cerca de 40 km de diâmetro.

    Até a reclassificação de Plutão, alguns astrônomos consideravam Caronte e Plutão como um planeta duplo enquanto outros sustentavam que Plutão não era de fato um planeta, mas apenas mais um objeto do Cinturão de Kuiper, uma região que se estende além da órbita de Netuno e onde já foram catalogados mais de mil outros pequenos corpos.

    Órbita de Plutão e Netuno
    O gráfico acima mostra as órbitas de Netuno e Plutão.

    Com o objetivo de estudar esse astro e suas luas Caronte, Hidra e Nyx, em janeiro de 2006 os EUA lançaram a nave New Horizons , que deverá atingir o astro em julho de 2015.

    A New Horizons não deverá pousar em Plutão ou em qualquer de suas luas. A maior aproximação da nave será de 10 mil quilômetros da superfície plutoniana e de 27 mil quilômetros da superfície de Caronte.

    Fotos: No topo, planeta-anão Plutão registrado em julho de 1994 pelo telescópio Espacial Hubble através da Câmera de Objetos Tênues, da agência espacial européia. Na sequência vemos Plutão e suas luas, também registrados pelo telescópio espacial Hubble. Crédito: Nasa/Hubble Space Telescope.




  • IMAGENS DE SATÉLITES !    Clique e conheça nosso Vídeo Workshop de sensoriamento remoto e imagens meteorológicas.
    Apolo11.com - Todos os direitos reservados - 2000 - 2014
    Política de Privacidade   |     Termo de Uso e Licenciamento

    "A guerra é mais difícil de começar do que de acabar." - Salústio - historiador - 86-35 a.C